Um tigre e um burro estavam conversando, enquanto caminhavam lado a lado por uma área aberta. A primeira conclusão à qual se chega é que o tigre não estava com fome. A segunda, óbvia como a primeira, é que se trata de uma fábula. Num determinado momento, ao olhar para baixo, o burro comenta como a grama estava especialmente azul, naquele dia. O que deixa o tigre perplexo.

“Mas a grama é verde”, afirma ele. “Claro que não: ela sempre foi e será azul”, afirma o burro. E a partir de então a discussão prossegue, sem que nenhum dos dois abrisse mão de suas convicções relativas às cores. Na impossibilidade de um consenso, resolveram recorrer a uma terceira opinião. Mais do que isso: buscaram no Rei das Selvas – e não era o Tarzan, nessa história – a resposta para qual dos dois estaria com a razão.

O tigre pergunta então para o imponente leão: “Alteza, existe alguma chance remota na afirmação desse burro, de que a grama é azul, ser verdadeira?”. E é surpreendido pela resposta: “Claro que sim. A grama de fato é azul”. O burro exulta com a sua verdade sendo confirmada. E exige uma punição ao tigre, por sua ignorância e teimosia. Com essa reivindicação também concorda o Rei, que determina seu silêncio pelo período de um ano inteiro.

Saltitante e feliz com a aceitação da sua verdade, vai embora o burro. Sozinho com o leão, tenta o tigre entender o que houve. “Majestade, não é possível. O senhor sabe que a grama é verde.” E o leão desta feita concorda com ele: “De fato, a cor correta da grama é o verde”. Surpreso, o tigre volta a se manifestar. “Sendo assim, porque o senhor me puniu?” E a inteligência do líder foi confirmada na lição: “O castigo é porque um ser corajoso e inteligente como você não deveria perder tempo algum discutindo com um burro”.

Eu conheço muitos tigres. Muitas vezes, nos últimos quatro anos, tenho também eu próprio me sentido como um. Não pelo rugido, pela beleza da pelagem, nem pelo porte de um dos maiores felinos do mundo, carnívoro que habita o continente asiático. Mas pela perda de tempo ao discutir com fanáticos. A estes pouco importa a verdade, a realidade e os outros. O que tem valor é sua crença e suas ilusões, assim como o desejo da vitória, como algo permanente. Nem que seja uma vitória falsa, como a cor azul da grama. Para um burro nem a evidência mais extrema, sendo contrária à sua visão de mundo, tem valor. Não teria nem mesmo a palavra do leão, se em sua manifestação mediadora ele tivesse confirmado ser verde a relva. O asno iria permanecer com a certeza do azul, porque este não estaria captado pelos olhos e sim por uma convicção distorcida.

A cegueira pode também ser fruto do ódio, do ego ou do ressentimento. Isso quando não do interesse mais rasteiro. Essa não se curva diante da luz, porque a luz não lhe atinge as retinas – nem ponto algum do cérebro. Nesses casos, o grave é que não se trata de algo inconsequente. Nessas ocasiões e circunstâncias o resultado pode vir a atingir muita gente. Como por exemplo insistir que tudo está cor-de-rosa, não vendo o cinza da fome e da morte; jurar que o vermelho é pecado, sem perceber que pode ser paixão e amor; sentir-se dono do amarelo não vendo que, sendo ele símbolo da alegria, deve ser distribuído igualmente para todo ser humano.

Se a falta de racionalidade faz com que a ignorância grite, exigindo que se veja o que não existe, razão e inteligência não podem se calar. Com toda a tranquilidade e a persistência necessárias, quem acredita no poder da empatia, no respeito à vida, na verdade e na justiça social, precisa seguir trabalhando para que as coisas voltem para seu rumo. Afinal, não se pode permitir que se desbote a cor da esperança.

23.08.2022

O burro e o tigre discordam com relação a cor da grama

O bônus de hoje é o clipe oficial da música De Toda Cor, de Renato Luciano. Ela já foi colocada nesse espaço do blog, no ano passado. Está sendo aberta uma exceção, com sua volta, o que até então nunca tinha sido feito. São duas as razões disso: a extrema qualidade do trabalho e a oportunidade do tema. Uma conclamação ao respeito por todas as cores, as nuances e as escolhas. Pluralidade, empatia e respeito. Justo aquilo que estamos precisando tanto hoje em dia, em nosso país. São várias as participações especialíssimas no clipe: Paulinho Moska, Emílio Dantas, Oswaldo Montenegro, Elisa Lucinda, Ney Matogrosso, Pedro Luís, Laila Garin e Léo Pinheiro.

DICA DE LEITURA

BOX NÓRDICOS: Os melhores contos e lendas

Leonardo Avritzer, Fábio Kerche e Marjorie Marona

(Dois livros com 450 páginas – Poster e marcadores – R$ 41,90)

O Box Nórdicos reúne histórias encantadoras dos povos antigos que habitaram o norte da Europa, onde atualmente estão Dinamarca, Suécia, Finlândia, Islândia e Noruega. O leitor conhecerá os melhores contos de fadas, lendas, sagas e mitos. São histórias cheias de simbologia, cujos personagens são venerados como deuses, semideuses e heróis. E que vão proporcionar uma experiência muito agradável, tanto para crianças quanto para jovens e adultos. 


Basta clicar sobre a imagem da capa e você será direcionado para a possibilidade de aquisição. Comprando através desse link, o blog será comissionado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s