DIFÍCEIS DESPEDIDAS

Em um dia qualquer de um verão que não lembro qual foi, eu dirigia pela BR 290 Freeway em direção às praias do litoral gaúcho. Pouco adiante na minha frente um veículo havia saído da pista e capotado. A família que o ocupava estava pedindo ajuda nas margens da rodovia e eu parei. Levei todos para um hospital em Osório – não sei se aquele município tinha ou tem mais de um –, dirigindo o mais rápido que eu podia. Ao meu lado sentou o homem que conduzia o carro, com seu sobrinho de dez anos no colo. E o menino não estava nada bem. No banco de trás, a mãe segurava outra criança, uma menininha de pouco mais de um ano, com o braço quebrado, ao lado da avó dos pequenos. Lá pelas tantas o menino teve um último estertor e a cabeça pendeu sobre meu braço direito. Eu e o homem vimos que ele havia morrido. A mãe deu um pulo, querendo saber porque o filho havia ficado imóvel e parado de gemer. Desmaiou, dissemos nós.

No hospital a morte foi confirmada. Mas eu nem presenciei o momento doloroso da família. Estava prestando depoimento para a polícia, em outro setor. Era preciso ficar claro que eu não tivera envolvimento algum com o acidente. Cheguei muito tarde na praia, onde minha esposa e a filha pequena me aguardavam. O carro sujo de sangue e eu arrasado, psicologicamente. Durante muito tempo ficaram aquelas dúvidas, talvez normais. Fui para o lugar certo? Não poderia ter abusado um pouco mais da velocidade, que garanto era excessiva? Por que justo nessas horas não surge uma viatura da Polícia Rodoviária, para orientar e servir como “batedora”? Importante salientar que na época não existiam os telefones celulares, não se tendo como pedir ajuda alguma, nem avisar familiares sobre razões de atraso.

Aquela não foi a única pessoa que eu vi morrer na minha vida. Houve, por exemplo, um vizinho da minha avó que estava fazendo uma solda, no terreno ao lado, quando o cilindro explodiu. O corpo dele foi arremessado por cima da cerca e eu, que estava por lá, cheguei instantes depois. Não é nada agradável ver a morte de perto, posso garantir. Mas, evidente que nenhum sofrimento foi maior do que presenciar o falecimento do meu próprio filho, esse vitimado por uma doença incurável, com apenas três anos e meio. Ele foi embora de mãos dadas comigo e com a mãe dele. Essa semana essa despedida completou mais um ano. O meu menino – assim é que ainda o vejo – seria um homem hoje em dia. Mesmo assim, tantos anos depois, a ferida ainda sangra em alguns momentos. E são as lembranças, mesmo as boas, que têm esse poder de abrir outra e outra e outra vez o mesmo corte profundo. A memória é um looping eterno.

Importante admitir que, no caso do meu filho, também esse fantasma da dúvida, semelhante ao do menino do carro, comparece vez por outra. Será que fiz mesmo tudo o que poderia ter feito? Haveria alguma terapia alternativa que eu não tenha buscado? Teria o diagnóstico sido feito tarde demais? E tem todas aquelas fases que a psicologia explica bem, de negação, revolta, etc., bem semelhante quando a doença é com a pessoa mesmo. Por que teve que ser com ele? A aceitação sem dúvida é a última etapa. Essa demora e acho que nunca é de fato definitiva.

Eu teria feito qualquer coisa para o Bolívar não ter passado por tudo o que passou naqueles poucos anos de existência. Do mesmo modo que, hoje em dia, daria de bom grado minha vida em troca da saúde e da felicidade da irmã dele, a Bibiana. Por isso me assusta muito o relato da existência de pais que nada fazem por seus filhos, que negam carinho, assistência, agasalho, educação e até presença. Me revolta saber que muitos agridem e até matam. E me choca aqueles que os negligenciam. Um exemplo é a não vacinação, que agora virou uma praga extra, filha da ignorância. É inaceitável que um pai, que deve ser zeloso por obrigação e por amor, deixe uma criança sem a imunidade que a ciência propicia. Ser pai, assim como ser mãe, é muito mais do que oportunizar o nascimento: também é assegurar as melhores condições de vida que possa oferecer.

Quem é pai mesmo tem saudade. E chora. Se alegra até imaginando o que jamais fez e nunca poderá fazer. Não levei o Bolívar para a escola; nem para a Arena ver o Grêmio. Não o ouvi sobre a primeira namorada; jamais conversamos sobre suas dúvidas; não esclareci suas curiosidades. Ele não aprendeu comigo a andar de bicicleta nem a dirigir. As angústias da escolha profissional, a tensão pré-vestibular, as suas conquistas, nada disso eu pude contemplar. Eu fui privado de dar meus palpites furados e também aqueles conselhos que, mesmo sendo apropriados, em geral os filhos não ouvem. Ele nunca bebeu demais, nem uma vez sequer. E o pior de tudo, que diabos, não poderia na infância ter tido catapora ou rubéola, ao invés de câncer? Para essa pergunta eu tenho resposta: não existe vacina para a doença mais grave ou essa também teria sido aplicada nele.

Talvez tenha algo errado comigo: meu pai, meu filho e meu irmão foram para o outro lado, nessa ordem. Só eu fiquei por aqui, com essa triste incumbência de ser o último a assinar Saldanha nesse ramo da família. Condenado a sofrer de saudade. Minha filha diz que é apenas o fato de eu ter a Lua em Peixes. Sei lá se esse aspecto astrológico teria mesmo toda essa importância e influência, mas não ouso duvidar. E isso me lembra que também não tivemos tempo de fazer sequer uma pescaria. Ou empinar uma pipa na beira da praia. Como eu queria ter sido testemunha da vida dele e não da morte.

25.01.2023

Bolívar Lechmann Saldanha

Logo aqui abaixo você encontra uma Chave PIX e um formulário para fazer doações. São duas alternativas distintas para que você possa decidir com quanto quer ou pode participar, para a manutenção deste blog.  A colaboração é importante porque as taxas que se paga não são baratas, com as cobranças feitas em dólar. Com o PIX você escolhe qualquer valor. No caso do formulário também, existindo valores sugeridos que não precisam ser os escolhidos. Neste é possível decidir por contribuição única, mensal ou anual. A confirmação se dá no botão “Faça uma Doação”. 

Depois, tem o bônus musical, que hoje é primeiro um clipe com a música Tears In Heaven, de Eric Clapton, devidamente traduzida para o português. Após, temos o áudio de A Lógica da Criação, de Oswaldo Montenegro.

PIX: virtualidades.blog@gmail.com

Uma vez
Mensal
Anualmente

FORMULÁRIO PARA DOAÇÕES

Selecione sua opção, com a periodicidade (acima) e algum dos quatro botões de valores (abaixo). Depois, confirme no botão inferior, que assumirá a cor verde.

Faça uma doação mensal

Faça uma doação anual

Escolha um valor

R$10,00
R$20,00
R$30,00
R$15,00
R$20,00
R$25,00
R$150,00
R$200,00
R$250,00

Ou insira uma quantia personalizada

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Faça uma doaçãoDoar mensalmenteDoar anualmente
A Lógica da Criação, de Oswaldo Montenegro

A GRAMA É AZUL

Um tigre e um burro estavam conversando, enquanto caminhavam lado a lado por uma área aberta. A primeira conclusão à qual se chega é que o tigre não estava com fome. A segunda, óbvia como a primeira, é que se trata de uma fábula. Num determinado momento, ao olhar para baixo, o burro comenta como a grama estava especialmente azul, naquele dia. O que deixa o tigre perplexo.

“Mas a grama é verde”, afirma ele. “Claro que não: ela sempre foi e será azul”, afirma o burro. E a partir de então a discussão prossegue, sem que nenhum dos dois abrisse mão de suas convicções relativas às cores. Na impossibilidade de um consenso, resolveram recorrer a uma terceira opinião. Mais do que isso: buscaram no Rei das Selvas – e não era o Tarzan, nessa história – a resposta para qual dos dois estaria com a razão.

O tigre pergunta então para o imponente leão: “Alteza, existe alguma chance remota na afirmação desse burro, de que a grama é azul, ser verdadeira?”. E é surpreendido pela resposta: “Claro que sim. A grama de fato é azul”. O burro exulta com a sua verdade sendo confirmada. E exige uma punição ao tigre, por sua ignorância e teimosia. Com essa reivindicação também concorda o Rei, que determina seu silêncio pelo período de um ano inteiro.

Saltitante e feliz com a aceitação da sua verdade, vai embora o burro. Sozinho com o leão, tenta o tigre entender o que houve. “Majestade, não é possível. O senhor sabe que a grama é verde.” E o leão desta feita concorda com ele: “De fato, a cor correta da grama é o verde”. Surpreso, o tigre volta a se manifestar. “Sendo assim, porque o senhor me puniu?” E a inteligência do líder foi confirmada na lição: “O castigo é porque um ser corajoso e inteligente como você não deveria perder tempo algum discutindo com um burro”.

Eu conheço muitos tigres. Muitas vezes, nos últimos quatro anos, tenho também eu próprio me sentido como um. Não pelo rugido, pela beleza da pelagem, nem pelo porte de um dos maiores felinos do mundo, carnívoro que habita o continente asiático. Mas pela perda de tempo ao discutir com fanáticos. A estes pouco importa a verdade, a realidade e os outros. O que tem valor é sua crença e suas ilusões, assim como o desejo da vitória, como algo permanente. Nem que seja uma vitória falsa, como a cor azul da grama. Para um burro nem a evidência mais extrema, sendo contrária à sua visão de mundo, tem valor. Não teria nem mesmo a palavra do leão, se em sua manifestação mediadora ele tivesse confirmado ser verde a relva. O asno iria permanecer com a certeza do azul, porque este não estaria captado pelos olhos e sim por uma convicção distorcida.

A cegueira pode também ser fruto do ódio, do ego ou do ressentimento. Isso quando não do interesse mais rasteiro. Essa não se curva diante da luz, porque a luz não lhe atinge as retinas – nem ponto algum do cérebro. Nesses casos, o grave é que não se trata de algo inconsequente. Nessas ocasiões e circunstâncias o resultado pode vir a atingir muita gente. Como por exemplo insistir que tudo está cor-de-rosa, não vendo o cinza da fome e da morte; jurar que o vermelho é pecado, sem perceber que pode ser paixão e amor; sentir-se dono do amarelo não vendo que, sendo ele símbolo da alegria, deve ser distribuído igualmente para todo ser humano.

Se a falta de racionalidade faz com que a ignorância grite, exigindo que se veja o que não existe, razão e inteligência não podem se calar. Com toda a tranquilidade e a persistência necessárias, quem acredita no poder da empatia, no respeito à vida, na verdade e na justiça social, precisa seguir trabalhando para que as coisas voltem para seu rumo. Afinal, não se pode permitir que se desbote a cor da esperança.

23.08.2022

O burro e o tigre discordam com relação a cor da grama

O bônus de hoje é o clipe oficial da música De Toda Cor, de Renato Luciano. Ela já foi colocada nesse espaço do blog, no ano passado. Está sendo aberta uma exceção, com sua volta, o que até então nunca tinha sido feito. São duas as razões disso: a extrema qualidade do trabalho e a oportunidade do tema. Uma conclamação ao respeito por todas as cores, as nuances e as escolhas. Pluralidade, empatia e respeito. Justo aquilo que estamos precisando tanto hoje em dia, em nosso país. São várias as participações especialíssimas no clipe: Paulinho Moska, Emílio Dantas, Oswaldo Montenegro, Elisa Lucinda, Ney Matogrosso, Pedro Luís, Laila Garin e Léo Pinheiro.

DICA DE LEITURA

BOX NÓRDICOS: Os melhores contos e lendas

Leonardo Avritzer, Fábio Kerche e Marjorie Marona

(Dois livros com 450 páginas – Poster e marcadores – R$ 41,90)

O Box Nórdicos reúne histórias encantadoras dos povos antigos que habitaram o norte da Europa, onde atualmente estão Dinamarca, Suécia, Finlândia, Islândia e Noruega. O leitor conhecerá os melhores contos de fadas, lendas, sagas e mitos. São histórias cheias de simbologia, cujos personagens são venerados como deuses, semideuses e heróis. E que vão proporcionar uma experiência muito agradável, tanto para crianças quanto para jovens e adultos. 


Basta clicar sobre a imagem da capa e você será direcionado para a possibilidade de aquisição. Comprando através desse link, o blog será comissionado.