Que jornalista abriria mão de entrevistar um homem que se apresentava como sendo a reencarnação de Jesus Cristo? Meados da década de 1990 aparece na cidade onde eu morava um grande trailer com o próprio e algumas discípulas. Todas elas vestiam roupas em tons de azul claro e branco. E ele era um cidadão errante, que se deslocava o tempo todo pelo país, pregando ou relembrando ao povo, como preferia dizer, os seus ensinamentos. Sua aparência física lembrava um pouco aquela que o mundo ocidental adotou como sendo a do Jesus original. Ou seja, cabelos compridos e um rosto alongado com barba e olhos claros, algo bem ariano e totalmente improvável considerando onde nasceu o filho de Maria. Mas lá estava ele e se dispôs a conversar conosco. Comigo foi uma repórter do mesmo jornal. Ouvimos o que tinha a dizer e fizemos também algumas fotografias.

“Na outra vez que estive aqui, disse ele, também não fui reconhecido como sendo o Filho de Deus”. Foi a resposta quando se questionou a razão de não ter ainda conseguido mobilizar multidões em torno da sua presença. Segundo ele, mesmo tendo passado quase dois mil anos, a humanidade infelizmente ainda não estava de fato pronta para dar os próximos passos no rumo da evolução. Falou que seu sofrimento na cruz seguia sendo insuficiente e que muitos males ainda continuariam nos afligindo, até que se reconhecesse a verdade. O que, aliás, era ele próprio. Pelo menos se considerarmos as frases que ele repetiu nesse nosso encontro: “Eu já vos disse antes que sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”.

Eloquente e carismático ele demonstrou ser. E falava com tanta certeza e desenvoltura que isso apontava para não duvidarmos de nada. Mesmo não apostando nossas fichas nele, vai saber? Tempos depois é que consegui levantar algumas outras informações sobre o cidadão. Seu nome de batismo era Álvaro Thais e nasceu em 22 de março de 1948 em Indaial, Santa Catarina. Nos anos 1970 mudou-se para Curitiba. Na capital paranaense se estabeleceu como astrólogo e adotou o nome de Iuri de Nostradamus. Ainda jovem, casou e teve dois filhos. Uma das suas ocupações era escrever para dois jornais daquele Estado, sobre o tema que se ocupava então. E que o aproximava do céu de uma outra forma.

Na TV Paraná ele foi apresentador do programa Zodíaco e Você. Nessa mesma época se tornou uma espécie de guru para a alta sociedade curitibana, ganhando notoriedade por fazer previsões, algumas delas ao vivo. Durante aquela década também travou alguns debates com outras figuras tidas como místicas e até com representantes da Igreja Católica e de protestantes. Em 1978 foi duramente espancado nas ruas, por um grupo de homens. O caso nunca foi devidamente esclarecido, mas os boatos apontavam para um suposto relacionamento com uma senhora casada. Isso o teria afastado da vida pública e iniciado um período de intensa introspecção e algum jejum. Foi quando teria recebido, direto do Pai Celestial e em Santiago, no Chile, a revelação de que era Cristo reencarnado.

Desde então percorreu vários países, sempre falando em nome do Pai. Em alguns foi impedido de entrar. Acabou retornando ao Brasil, onde entrou via Belém. Local muito apropriado, por sinal, devido ao nome. E por lá protagonizou uma situação inusitada: invadiu uma igreja, atacou o vigário e quebrou várias imagens de santos. Isso porque, segundo ele, nos templos atuais ocorre o que já havia acontecido dois mil anos atrás, quando tivera que expulsar mercadores: a comercialização da fé. Claro que acabou preso. Quando conseguiu sair, voltou para Curitiba, onde fundou a SOUST – Suprema Ordem Universal da Santíssima Trindade. Isso ainda existe hoje em dia, mas a sede foi para Brasília. O que não surpreende em nada, considerando o nível de loucura e associação entre falso cristianismo e poder que por lá impera atualmente.

Sua fama cresceu muito na década de 1980 e ele voltou a travar debates polêmicos, em especial com outra figura visionária, o Padre Quevedo. O que também fez crescer o ódio contra ele. O endereço de agora, na Capital Federal, é quase uma fortaleza, inclusive defendida por homens armados. O número de seguidores nunca parou de crescer, embora não se tenha uma noção aproximada do total. E doze deles – não por acaso o número é esse – são os mais próximos. Também a internet é recurso utilizado na propagação de suas ideias.

Não sei se ele tem caminhado sobre as águas do Lago Paranoá. Nem se mantém o hábito de multiplicar pão e vinho, o que poderia estar sendo feito agora para atender a população carente da periferia da cidade. Mas há gente que segue acreditando nele piamente. Assim como existe quem ainda acredita em outros tipos de Messias. Aliás, internamente, naquele que assim se apresenta, isso pode ser considerado um transtorno mental. A principal característica dessa doença, segundo especialistas, seria acreditar que Deus apontou a si como o responsável por salvar a humanidade, do que quer que seja. Que teriam sido abençoados ou “ungidos” pelo Criador para cumprirem na Terra uma missão mais do que especial. Em geral, isso não termina bem.

28.12.2021

Álvaro Thais, o INRI Cristo

O bônus de hoje a banda Acústico Reggae apresenta a música Tempos Próximos. Fundada em 2001, ela possui dois álbuns já lançados: Ar na Cidade e Nova Com Ciência. Fez participações no Festival Nacional de Reggae no Anhembi e no Planeta Atlântida.

1 Comentário

  1. A very interesting read. This man had quite a topsy-turvy life. He thrived upon the faith of people who were desperate to find God in a mere human. Sometimes the want is so great that it abolishes all logic. 🙂

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s