Manhã de domingo e está sendo preparado um gin-tônica aqui em casa, para ser bebido antes do almoço que iria tardar um pouco. Lembrei então do último trabalho feito pela atriz Marília Pera, que nos deixou em 2015. Bastante debilitada pela doença que a acometera, representou quase a totalidade das cenas sentada. Sua personagem vivia bêbada de tanto tomar gin. Foi na série Pé na Cova, levada ao ar pela Globo entre 2013 e 2016. A atriz dava vida à impagável ex-esposa do protagonista, papel de Miguel Falabella – que também escrevia e era o produtor –, dono da Funerária Unidos do Irajá, de sigla F.U.I., mais do que perfeita para o ramo de negócio.

Marília Pêra era filha de artistas: o português Manuel Pêra e a atriz de ascendência italiana Dinorah Marzullo. Com isso, foi criada praticamente sobre palcos, tendo com apenas quatro anos contracenado com eles, que integravam a conhecida companhia de Henriette Morineau, em uma peça. Dos 14 aos 21 foi bailarina e chegou a trabalhar com Bibi Ferreira. Mas seu primeiro grande feito foi derrotar Elis Regina em um teste para trabalhar no musical Como Vencer na Vida sem Fazer Força, em 1964, quando também buscava espaço como cantora. Numa carreira exemplar, ela conquistou nada menos do que 80 prêmios, tendo feito 20 filmes, 29 novelas e 49 peças teatrais. Ela foi a atriz brasileira que mais vezes atuou sozinha, sendo verdadeira mestre em monólogos. Nos anos 1960, foi presa duas vezes: a primeira em plena apresentação da peça Roda Viva, de Chico Buarque de Holanda; a segunda, quando policiais invadiram sua casa, deixando em pânico o filho de sete anos que foi acordado no momento. Em ambas as ocasiões, a vaga acusação de ser “comunista”. Tudo isso ela superou, menos o câncer de pulmão que a acometeu.

Apesar dos mais afamados do mundo serem os ingleses, na verdade o gin nasceu na Holanda. E surgiu para ser um remédio. Foi em 1650 que o médico e professor Francisco de la Boie estava buscando fórmula para amenizar dores e problemas renais. Juntou a um destilado de cereais o zimbro, uma pequena fruta vinda principalmente da Toscana, criando algo parecido com a vodca. O seu teor alcoólico varia entre 37,5 e 50%, o que não é nada baixo. Mas o sabor é marcante e ele tem a vantagem, em relação ao whisky, por exemplo, de não precisar de envelhecimento. Esse composto passou a ser muito usado por soldados ingleses em missões onde era fácil contrair malária. Era adicionado ao tratamento, para disfarçar o sabor amargo do quinino. Que, aliás, é base para a fabricação da tônica que hoje se bebe com ele. Mas há quem prefira consumir gin puro, apesar do seu uso maior ser realmente em drinques. O negroni e o dry-martini, esse último uma das bebidas prediletas de James Bond, o agente 007, são outros que podem ser feitos com ele.

O seriado Pé na Cova tinha direção geral de Cininha de Paula. Mesmo com a morte de certa forma sendo o tempo todo a temática central, ele conseguia tratar disso com leveza. A família dona da empresa quase falida, pela má administração, tem personagens que beiram o realismo fantástico, flertam com o absurdo. Ruço, o proprietário, namora Abigail (Lorena Comparato), que é órfã e tem 30 anos menos do que ele; tem a filha Odete (Luma Costa), que faz strip-tease num site erótico e namora Tamanco (Martinália), que trabalha como mecânica de automóveis; o filho Alessanderson (Daniel Torres) quer ser político e exercita habilidades manipulando moradores do bairro; o motorista Juscelino (Alexandre Zacchia) é atrapalhado a tal ponto que vive perdendo corpos pelo caminho; a empregada Adenóide (Sabrina Korgut) está sempre contando histórias de pobreza e tragédia; Ba é uma idosa desmemoriada que foi babá de Ruço e que agora, sem ter mais ninguém, mora com ele; e Luz Divina (Eliane Rocha) fecha o grupo como uma vizinha vigarista e esquizofrênica.

Em meio a essa verdadeira “fauna”, brilhavam Miguel Falabella e Marília Pêra, na ficção um ex-casal que mesmo desfeito não se abandona. Uma relação de profunda amizade, de permanente troca de impressões sobre a vida e o mundo. Os diálogos entre Ruço e Darlene davam todo o tom para as histórias contadas. Havia admiração, tanto entre personagens como entre intérpretes. E o respeito de toda a equipe pelo talento e a história pessoal da atriz era tamanho que, com sua morte, se reuniram com a família dela para perguntar o que deveria ser feito. Foi consenso que o trabalho precisava continuar, até como um reconhecimento, porque na certa seria isso que ela gostaria que acontecesse. Agora só se pode apreciar o seu talento em gravações, que merecem ser vistas enquanto se brinda com um gin-tônica refrescante.

03.02.2021

Marília Pêra, uma das mais destacadas atrizes brasileiras

O bônus musical de hoje é duplo. Primeiro teremos a abertura oficial de Pé na Cova, com a cantora Martinália, que também trabalhava como atriz na série. Depois, já que se falou de saudade, Roberta Tiepo com Fico Assim Sem Você, uma canção brasileira de funk melody, composta por Adbullah e Cacá Moraes. Depois ela ganhou roupagem de MPB, numa gravação da gaúcha Adriana Calcanhotto.

6 Comentários

  1. Resumindo, Marilia foi uma das melhores atrizes do Brasil. Refinada e impecável em suas interpretações! Faz muita falta e dificilmente teremos alguém comparável a ela, nesta nova leva de atores/atrizes. Grande abraço, amigo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s