Anos atrás tive uma colega de trabalho que iniciava todas as suas respostas com as mesmas duas palavras. Não importava se a pergunta era sobre as condições climáticas do dia, a guerra na Bósnia ou se haviam pedido um palpite sobre o resultado do clássico do domingo seguinte. Primeiro ela dizia: “pois olhe…”. E assim, com três pontinhos. Havia uma pausa dramática antes da opinião ser dada. Cacoete semelhante, com a diferença de que esse é coletivo, se nota vendo noticiário em TV norte-americana. Basta o repórter formular qualquer questão e o entrevistado inicia com um sonoro “well”. Parece um mantra e quase ninguém responde nada sem o introdutório “bem”. Talvez seja uma chave para abrir as portas da memória e turbinar o raciocínio.

Aqui no Rio Grande do Sul também temos nossos hábitos vocabulares próprios. Mas nenhuma palavra, nenhuma frase, ditado ou expressão tem a força de um simples “bah!”. Quem me lê fora do Estado talvez já comece a ter dificuldades de entender, em função da própria grafia. Percebam que não é “bá”. O correto é mesmo esse “bah!”, com a letra agá e sempre acompanhado do ponto de exclamação. Ele é algo multiuso, como esses produtos de limpeza que se tem na cozinha. No caso multissignificado, uma vez que comporta inúmeras inflexões. Outro detalhe é que ele seguido se faz acompanhar por um “mas”, que o potencializa. O “mas bah!” é imbatível. Quase uma assinatura, a referência maior para identificar um autêntico gaúcho.

Dizem que o “bah!” é apenas uma contração do “barbaridade”. O que provavelmente seja verdade. Mas bota contração nisso! Encolheu no tamanho e cresceu nas possibilidades. Pode ser usado para expressar admiração, surpresa, alegria, tristeza, contrariedade, desdém, aprovação, desaprovação e por aí afora. Basta alterar o tom da pronúncia e a expressão facial, que a pessoa será entendida. Desde que o interlocutor também seja gaúcho, lógico. A circunstância e o momento do uso é que definem o que se quer dizer. Se um dia algum ditador maluco – e existem tantos deles – proibir que se fale isso, o Rio Grande silencia. Ou, aquilo que seria mais provável, se revolta. Porque aqui é impossível falar sem o “bah!”. Nos peçam tudo, menos isso.

Eu já soube de professor de português do centro do país que comparou o nosso “mas bah!” com o “ôrra, meu” de alguns paulistanos. Sabe nada o vivente. Esse último pode servir para programa de auditório, mas não consegue a mesma pluralidade expressiva. É comparar o Guaíba com o Tietê ou o Pinheiros: tenham dó. Nesse caso só nos ganham no nível da poluição, mas por pouca diferença. E não me venham dizer que é bairrismo, porque ninguém fica parado na Marginal para ver o pôr-do-sol, ao contrário do que se faz por aqui, com orgulho e mateando. Como se Deus tivesse inventado esse detalhe da natureza só para agradar nossos olhos sulistas.

O “bah!” é democrático e inclusivo. Se fala na Capital e no interior, em bairros centrais e nas periferias, ele não diferencia ninguém por gênero, religião, opção política, idade ou etnia. Gremistas e colorados têm igual direito de acesso. E até quem não nasceu aqui, mas se aquerenciou depois, pode fazer uso dele. Desde que com moderação e muito respeito. Há também pessoas fora do nosso Estado que vão ficando um pouco gaúchas, de tanto conviver com gente daqui da terrinha que agora trabalha longe. Esses podem se tornar usuários honorários, mas na certa com muito menor frequência e variações. Aliás, quando a gente viaja sempre leva o “bah!” junto. Mesmo que no exterior seja ainda pior do que no resto do Brasil e nem o tradutor aquele dos celulares resolva. Enfim, ele é tão ou mais coisa nossa do que o lagartear no inverno comendo bergamota. Com o “bah!” é possível até expressar medo. Mas isso qualquer gaúcho que se presa irá negar, mesmo sob tortura.

17.08.2020

8 Comentários

  1. Bah Solon, tenho 2 amigos cariocas e um mineiro que sempre falam bah e tchê, quando conversamos. Claro, de tanto me ouvir citar isso. Não é sarro não, também simpatizaram com o bah e o tchê. He, he, he!!! Valeu meu amigo! Esperando pela neve, tchê!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s