Let It Be foi o último álbum lançado pelos Beatles, há exatos 50 anos atrás – ele foi distribuído em maio de 1970. Não o último que gravaram, porque depois ainda produziram em estúdio o lendário Abbey Road, aquele em que na capa está a foto do grupo atravessando rua londrina, em faixa de segurança. Só que esse acabou sendo comercializado antes, porque o anterior dependia de estar pronto um filme que sairia junto. A canção que dá título ao trabalho Let It Be (Deixe Estar) é a sexta do Lado A, no antigo LP, que tinha um total de 12 faixas. E ela normalmente é figura certa em relações que indiquem quais as dez mais da história da lendária banda. Não importa quem opine e selecione, muito raro é ela ficar de fora.

Paul conta que escreveu a letra após ter sonhado com a sua mãe, que havia morrido anos antes. Ela o acalmava nesse sonho, dizendo que tudo se resolveria bem. Um conselho importante, num momento tumultuado pelo qual tanto a banda – morrera o empresário Brian Epstein e as brigas internas só aumentavam – quanto ele pessoalmente, estavam passando. Antes de saber da origem real da “inspiração”, muita gente chegou a acreditar que se tratava de um conteúdo religioso. O verso Mary comes to me (Maria vem até mim) poderia indicar mesmo isso. Mas a mãe da canção era de fato Mary McCartney e não a genitora de Jesus. Ela teve câncer de mama e realizou mastectomia no dia 31 de outubro de 1956. Superprotetora, antes de ir para o hospital deixou a casa arrumada e até mesmo os uniformes escolares de seus dois filhos prontos para uso no dia seguinte. Nunca mais os viu usá-los, pois faleceu de embolia 24 horas depois da cirurgia. Ela era fumante e, mesmo com um relativo “histórico de atleta” – usava bicicleta para todos os seus deslocamentos –, o estado dos pulmões não contribuíram para a recuperação desejada. Consta que suas últimas palavras foram ditas para a cunhada, que a acompanhava no hospital: “Eu gostaria de ter visto os meninos crescerem.”

John Lennon não parecia ser muito fã desta música, mas aceitou que ela fosse incluída. Uma tarefa que não foi fácil: fizeram 27 versões dela antes da derradeira, que foi efetivamente gravada. E ele nem mais estava no grupo quando o trabalho foi tornado público. Foram os três restantes que concluíram I Me Mine, de George Harrison, que ainda dependia de alguns detalhes para a versão final. Em 10 de abril a banda foi extinta, mas apenas em 8 de maio começaram as vendas deste LP. Muito simbólico também foi o fato da mudança de nome: o disco inicialmente seria chamado de Get Back (Retorne), mostrando a intenção de uma volta às origens, que jamais aconteceria. O “deixe estar” ficou muito mais apropriado. O documentário simultâneo traz registros das gravações dos dois últimos álbuns e do show que deram no telhado dos estúdios da Apple, que acabou sendo o seu último. No ano seguinte ele foi agraciado com o Oscar de Melhor Trilha Sonora Adaptada, que terminou sendo uma espécie de premiação póstuma.

Mesmo tendo oficialmente existido apenas entre 1960 e 1970, os Beatles parecem eternos em função de tudo o que fizeram, revolucionando o cenário musical em todo o mundo. Eles adotaram estratégias de marketing e utilização massiva da mídia a seu favor, o que também explica muito o sucesso meteórico. Fizeram o primeiro show em um estádio, atraindo 55 mil pessoas em Nova Iorque, algo até então impensado. Junto com Elvis Presley, foram precursores na elaboração de videoclips e de paradas estratégicas em meio às turnês – o que permitia mais tempo para produção em estúdios, qualificando os trabalhos. Nesses momentos, desenvolveram técnicas como feedback, compressão, loops, microfonia, colagens sonoras, mudança de fase, overdubs e equalização. E também inovaram em coisas mais prosaicas, como colocar as letras das músicas em encartes nos álbuns, o que ninguém fazia. Outra coisa em que foram pioneiros foi na transmissão de um programa ao vivo, via satélite, que cobriu boa parte do planeta, em 1967. Foi o especial Our World, onde receberam celebridades de muitas nacionalidades diferentes, levando uma mensagem de paz e tolerância. All You Need Is Love (John Lennon) e Baby, You’re a Rich Man (Paul McCartney) foram compostas especialmente para a ocasião.

Não foi por acaso, portanto, que 27 de suas canções ocuparam o primeiro lugar nas paradas de sucesso. Sua influência na moda e no comportamento da juventude são inegáveis. Até entre quem não vivia em sua época. Mas deixa especial saudade, atualmente, seu saudável e quase ingênuo ativismo político e social. Parece que era mais fácil sonhar naquela época.

15.05.2020

2 Comentários

  1. Let it be, é uma das minhas 5 músicas preferidas dos Beatles. Conheço boa parte da história dos meninos de Liverpool, mas esta sobre a mãe do Paul, eu não conhecia! Muito interessante. Estamos falando da banda de maior influência de todos os tempos! Provavelmente daqui a 50, 100, 200 anos ou mais, continuará sendo muito valorizada pela sua história e conteúdo. Let it be para mim, fica bem mais valorizada, depois de eu ler este texto. Como sempre, mais um belo trabalho do meu amigo Solon. Adorei… Grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s