Quando se fala em preconceito, lugar comum é as pessoas sensíveis ao assunto associarem de imediato a palavra com questões de etnia, raça, gênero ou orientação sexual. Afinal, são sem dúvida essas as mais comuns manifestações dessa postura odiosa. Entretanto, existem outros tipos, que mais dificilmente são percebidos. Um deles é o etarismo. Mas, antes de falarmos sobre esse conceito, vamos tentar esclarecer a diferença que existe entre dois dos anteriormente citados, que não raras vezes são confundidos. O preconceito contra raça, o racismo, refere aversão a determinadas características fenotípicas dos tipos humanos, em especial cor da pele. O racista discrimina negros, sem uma única razão plausível para isso – como se fosse possível existir uma sequer. Já o preconceito contra etnias se refere a fatores culturais, como nacionalidade, religião, língua e tradições de grupos humanos. Um outro tipo de intolerância, de falta de respeito e capacidade de entender o que não é semelhante a si mesmo.

Voltando ao etarismo, esse se baseia na crença irracional de que todas as pessoas, sem exceção alguma, são limitadas em função da sua idade. É subestimar a capacidade de jovens, apenas porque se entende que eles ainda não têm condições para determinadas ações, pelo fato de que, na maioria das vezes, essas são atribuídas a adultos. Ou ainda, no extremo oposto, achar que a pessoa que envelhece perde todas as suas capacidades, irremediavelmente. É, por exemplo, não dar trabalho aos jovens alegando apenas falta de experiência. Ou negar colocação aos que têm mais idade, acreditando que jamais teriam a produtividade que é esperada. Assim, o etarismo – também chamado de ageísmo – é toda a forma de estereotipia fundada numa discriminação de idade. Pode afetar a vida das pessoas de diversas formas, mas como citei acima é cruel especialmente no ambiente de trabalho.

Em 2015 o japonês Hidekichi Miyazaki, com 105 anos de idade, bateu o recorde mundial para a categoria sênior, fazendo no atletismo 100 metros rasos em 42 segundos. Tudo bem que atletas mais jovens fazem isso em tempo quatro vezes menor, mas aposto que a grande maioria das pessoas sedentárias com metade da sua idade não conseguiria. Na época ele brincou, desafiando Usain Bolt para um “pega”. Um ano antes, sua compatriota Mieko Nagaoka, de 100 anos, foi a primeira pessoa com essa idade que nadou 1.500 metros livres em piscina de 25. Eu, que não sei nadar, só poderia aplaudir. Com uma habilidade impressionante, aos 81 anos a jogadora Doris Self bateu o recorde no jogo eletrônico Twin Galaxies, acumulando 1.112.300 pontos no modo Tournament, que é a mais difícil configuração do tal jogo. Dorothy Davenhill Hirsch, de 89 anos, foi uma desbravadora do Polo Norte, a bordo do navio russo Yamal, um quebrador de gelo. O professor doutor alemão chamado Heinz Wenderoth conquistou esse título acadêmico com 97 anos. Fez isso apresentando um trabalho instigante sobre aspectos biológicos de células na morfologia e fisiologia da vida marinha primitiva.

Eu concordo que estou ilustrando o texto aqui com exceções, não com a regra. Mas não se precisa ir ao limite para entender que afirmações “definitivas” têm enorme probabilidade de não encontrarem eco em todas as pessoas. Por que não confiar, ao menos no ambiente de trabalho, naqueles que são os improváveis? Tem muita gente jovem que pode surpreender com uma visão nova, inovadora mesmo, acelerando processos “consolidados”. Tem muita gente madura que pode mostrar um jeito esquecido, de tratar pessoas e resolver problemas, que anda sepultado sob o manto da necessidade compulsiva da tecnologia. A pressa de hoje em dia, mesmo não sendo inimiga da perfeição, pode se tornar avessa ao capricho, afetando resultados.

A comédia norte-americana Um Senhor Estagiário, com Robert De Niro, Anne Hathaway e Rene Russo, conta a história de um viúvo de 70 anos, aposentado, que aproveita a oportunidade de trabalhar como estagiário sênior em uma empresa de moda. Recebido com enorme desconfiança, ele termina conquistando os colegas mais jovens, incluindo sua chefe direta que não o desejava lá, graças à sabedoria e ao senso de humor que a idade o ajudou a desenvolver. Merece ser visto. O dinamismo e a serenidade não são excludentes. E velho de verdade é o preconceito.

30.08.2021

No bônus duplo de hoje, primeiro o trailer oficial da comédia Um Senhor Estagiário. Depois, a música Orgulho e Preconceito, de Lulu Santos. Essa se refere à outra forma de desrespeito, fazendo referência ao julgamento alheio quanto ao direito das pessoas amarem quem bem lhes entende. Mas ele ilustra bem nossa necessidade de rever conceitos.

1 Comentário

  1. Solon, I enjoyed reading your post. I began experiencing ageism around the age of 55. My younger coworkers did not have the same work ethic that I had at that time, but they got by with it because they had younger managers who had the same work ethic as they had. Yet, I do not and will not conform to lowering my standards based on unjustifiable principles. Trust me, I totally get the other “isms” you mentioned.

    I wrote about this type of prejudice In my post “Ageism: The New Otherism to Fight” (https://frombehindthepen.wordpress.com/2018/09/18/ageism-the-new-otherism-to-fight/) in 2018, so believe me I get it. Thank you so much for writing about topics that make us stop and think. ☺️ 🙏🏽 ❤️

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s