Eu faço um comentário semanal na Ativa FM. Na semana passada fiquei pensando que assunto poderia abordar, para fugir do óbvio num dia em que estava sendo instalada a Cúpula do Clima e seria julgada no STF a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e todo o seu esforço para que fosse condenado sem provas um ex-presidente. Esses eram dois temas que na certa estariam demasiadamente explorados e, por isso mesmo, pensei em evitá-los. Qualquer canal de TV, emissora de rádio e alguns milhares de fontes na internet estariam destacando isso. Eu seria mais um pingo d’água, no meio de uma chuva torrencial. Então resolvi me debruçar sobre o lado “b” dos noticiosos. Há coisas inacreditáveis. E todas foram encontradas em sites de grande projeção e audiência.

A primeira coisa que me chamou a atenção foi uma decisão da rainha Elizabeth II. Com a morte do seu marido ela resolveu romper uma tradição secular e não mandou imprimir seus conhecidos papéis de carta com um fio preto na borda, em sinal de luto. Evitando todo esse gasto em serviços gráficos, pensei eu, estaria salva a economia mundial. Ou no mínimo a do Reino Unido. Ledo engano: o texto revelava que ela determinara que o brasão, que é vermelho, fosse posto na cor preta, por um período que não foi informado. Nem uma única libra poupada. No mesmo site, no espaço destinado para as notícias nacionais, descobri que uma das concorrentes ao título de Miss Bum Bum 2021, por se achar uma sósia quase perfeita da cantora barbadense Rihanna, iria dedicar a ela uma possível vitória. Se os seus atributos físicos específicos a levarem mesmo ao êxito, será a primeira vez na história que uma artista internacional vai ser homenageada por uma bunda. Nem quero imaginar como teria sido o meu dia se eu não tivesse tomado conhecimento destes dois fatos.

Nas variedades, uma tentativa de trazer a ciência para coisas banais do nosso dia-a-dia. O texto se dedicava a tentar explicar as razões pelas quais o segundo dedo dos pés, às vezes cresce mais do que o dedão. Dessa vez não passei do título e das três primeiras linhas. Mas, por via das dúvidas, tirei minhas alpargatas e fui conferir se os meus estariam passando por alguma mutação. Afinal, como eu já havia sido vacinado com a primeira dose da Coronavac, vai saber. Imaginem se nisso e somente nisso, o inquilino aquele que vai ficar no máximo até o final do próximo ano no Palácio da Alvorada acerta. E, como citei ele en passant, fica oportuno comentar outra informação fundamental, essa fazendo referência ao Big Brother Brasil. Uma das glamourosas concorrentes deste ano informou que estava com prisão de ventre desde que entrara na “casa mais vigiada do Brasil”. Inacreditável! Mas, se isso fosse verdade, passados dois meses, que tamanho estaria agora o sofrido abdômen dessa candidata? Como eu não vejo nunca o programa, fica difícil dar uma espiada e conferir. Mas é por essas e outras que a gente termina tendo que voltar para o enfadonho noticiário político e econômico.

Pelo menos nesses há ficção, produzida com muito maior esmero. Dá para ler, por exemplo, que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, estaria agora empenhadíssimo em reduzir o desmatamento da Floresta Amazônica, até o ano de 2030, desde que ganhasse uma graninha dos EUA para patrocinar as suas ações. Vejam bem que ele não prometeu acabar com o problema, mas apenas reduzir a velocidade com que ele se agrava. Como a perda média diária ficou em 2.110 hectares, no ano de 2019, vai que ele consiga mesmo projetar que fique perto da metade disso em oito anos. Uau! Vamos colocar naquela região uma placa em sua homenagem, com todo nosso reconhecimento. Pode ser até aquela mesma que rebatize a imensa área para Deserto Amazônico.

A verdade é que estamos submetidos a um excesso de informação. Tem os assuntos ditos “sérios”, que impactam na nossa vida diária. Aqueles de ordem prática, como variações de preços de produtos, questões de saúde, educação, segurança pública, mobilidade urbana, clima, emprego e esportes, entre outros temas. Hoje em dia ainda existem fake news, que buscam manipular a opinião pública para atender interesses particulares ou de grupos específicos, principalmente na política e na economia, o que requer muito cuidado. E nossos cérebros cansados terminam sendo submetidos ainda a um terceiro nível: o das coisas inúteis ou desimportantes, como as que citei acima, para completar essa carga permanente e abusiva. Isso impõe o uso de filtros em defesa da nossa saúde mental. Sejam eles meditação, literatura, yoga, uma horta ou simplesmente o silêncio oportunizado pela decisão de desligarmos rádio, TV, celulares e computadores. Nem que seja por algumas horas.

26.04.2021

Hoje tem bônus em dose dupla. Primeiro, uma música de Gabriel, o Pensador: Tô Feliz (Matei o Presidente) 2. Depois dela, o trecho musicado do stand up denominado Fake News, de Bruno Costoli. O acesso a ambos é via Youtube, você podendo ver a qualquer momento.

2 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s