A letra de O Quereres é extremamente bela. Mas o que nela é de fato fácil, está em constatar sua complexidade. O que nos leva a dizer que seu entendimento é múltiplo, sendo aberto e hermético ao mesmo tempo. Coisas de Caetano Veloso, lógico. A começar por uma dúvida básica sobre ser ela de fato uma canção ou uma poesia musicada. O que, aqui entre nós, não faz a mínima diferença. Nela o querer é transformado em objeto, materializado, sendo e se opondo ao mesmo tempo. Uma obra de arte, enfim. Daquelas que ninguém distraído é capaz de entender.

A música foi gravada ainda em 1984, sendo a sétima faixa do álbum Velô. O texto, seu contexto e a intertextualidade são uma constante que está escancarada. Na verdade, tão exposta quanto oculta. Há um desenrolar envolvente, de sonoridade que encanta. Mas quem ouve, o tempo todo está sendo desafiado pelo menos a buscar um dos tantos sentidos possíveis, que para si venha a ter lógica. O que não é difícil assim quando se visualiza tudo pela antítese constante, pela adequação em contrapartida da resistência.

Tudo na letra são ideias se opondo. O interlocutor e o eu lírico sempre em posições contrárias. A ameaça da violência com o revólver; a paz do coqueiro que ocupa praias tranquilas. O dinheiro que compra e corrompe; a paixão que é gratuita e avassaladora. O desejo que se impõe contra o descanso. O mesmo desejo não sendo em determinado momento correspondido. O sonho nas alturas e a rasteira realidade. A espiritualidade, no salto da alma.

Eu queria querer-te e amar o amor/ Construir-nos dulcíssima prisão/ Encontrar a mais justa adequação/ Tudo métrica e rima e nunca dor/ Mas a vida é real e de viés/ E vê só que cilada o amor me armou/ Eu te quero e não queres como sou/ Não te quero e não queres como és.” Aqui está o conflito da necessidade (ou não) de nos adaptarmos uns aos outros, na vida comum real ou especulada. O amor ideal e integrado tendo que, em algum momento, deparar-se com todas as frustrações da vida cotidiana. Mesmo que o “eu” busque o perfeito, a relação igual e absoluta, irá se deparar com a percepção de que isso não existe. Ou que, se pudesse existir, dependeria o tempo todo do outro e, portanto, não estaria naturalmente ao seu alcance. Então, a vida a dois seria uma armadilha na qual cada um de nós voluntariamente se deixaria cair, com a esperança de ser essa a doce prisão citada. Anseio versus realidade. A dimensão do sonho trazida ao nosso alcance, mas sem que se tenha controle sobre ele.

Há um permanente movimento do Eu e do Outro se encontrando e se desencontrando, entre desejos e negações. Indecisão e contraste entre os envolvidos nesse relacionamento, que é amoroso e dá medo. Que dá medo porque é essencialmente humano. E que é humano porque fundado no desejo. Talvez Caetano nunca tenha sido tão Caetano quanto foi dessa vez.

05.01.2022

Caetano Veloso

O bônus musical de hoje é óbvio: a música O Quereres, de Caetano Veloso.

9 Comentários

  1. Maravilhosa música que lhe serviu de inspiração! Um quereres cheio de não quereres! Mas amor é isso mesmo, assim como a felicidade, já dizia o poeta: nunca a pomos onde nós estamos…

    Curtir

  2. Adorei o texto e me fez lembrar de uma frase do Vinícius de Moraes: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”.

    Curtir

  3. Uma delícia ler teu texto. Muito Obrigada. Neste momento – meu – de vida – uma dádiva… para fazer novamente pensar e sentir o amor e como seguir em frente na vida… amando tanto e com tanta intensidade… ser intenso não é fácil, mas não escolheria ser menos intensa…. pois ao mesmo tempo… nunca canso de desejar e é isto que me faz sempre ser curiosa, não desistir, perseverar… amar enfim… seja lá qual for a definição desta palavra… que para mim cada vez mais deixa de ser um sentimento e sim uma expressão de consciência; amor como sendo ter maior ou menor consciência sobre o que se faz em ato para si e para os outros. Nunca pare de escrever Solon.

    Curtir

  4. Interesting! I’ve long thought that being able to clearly hold contradictions within your mind and value both perspectives is the needed road to a higher synthesis and seeing. Personal Note: noticed you liked an article from my technical blog. Bravo. Been a long time since I have looked there, or anyone else. 🙂

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s