Tanto tempo com nossas rotinas alteradas – mesmo que há muito exista um enorme contingente que não está nem aí para as recomendações da saúde pública –, que com certeza não estamos mais iguais ao que se era antes dessa visita inconveniente do corona. Alguns de nós mais reclusos que outros, mas todos com menos convívio, alimentação diferente e sono um tanto alterado. Mudaram as relações afetivas, de trabalho, de lazer e também as aparências. Cabelo e barba tendem a não ser os mesmos; e os pés andam mais acostumados com chinelos do que nunca. Cinemas foram de vez trocados pelo streaming; salas de aula estão todas elas virtualizadas; e foi com entregadores que fizemos as mais recentes e sólidas amizades.

Mas o que me deixa indignado é aquele pessoal que aproveita para fazer de conta que evoluiu além da conta nesse tempo, que conseguiu em seis meses aquilo que em geral levaria algumas encarnações. Ficam agradecendo aos céus pela pandemia; juram que andam meditando; desenterram gurus e “lideranças” espirituais há muito já desconectadas da realidade; sugerem o tempo todo lives sobre temas comportamentais; ampliam o envio de mensagens de bom dia, boa semana, bom tudo, que antes já entupia o WhatsApp; e nunca, nunca mesmo, se mostram despenteados em fotos e vídeos ou diante dos vizinhos na hora de levar o lixo para fora. Essa gente perfeita deve só ouvir música clássica, nos seus apartamentos; não tem esposa ou marido, filhos ou noticiários de televisão que os estressem, sequer por um único minuto.

Nenhuma delas esteve em farmácias esse tempo todo; não se resfriaram; não tiveram dor de dente. Depois do retorno das competições esportivas devem até achar graça de más atuações dos seus times. Estão todas prendadas como nunca, cozinhando menus de festa para qualquer almoço da semana. Nenhuma engordou, desfilam com as melhores roupas em casa mesmo e nem apostam em loterias, via internet, com medo de ganhar – imagina que azar seria enriquecer! Sua felicidade já é plena, sem necessidade de dinheiro. Se chove, um arco-íris nasce direto em uma das suas janelas. Afinal, para elas tudo é desígnio divino, trabalho incansável da espiritualidade maior. As pragas políticas de hoje em dia, por exemplo, são como aquelas bíblicas, gafanhotos e o escambau. Apenas provações necessárias que vão passar, assim como a pobreza, não se devendo fazer nada que atrapalhe o seu ciclo necessário.

O novo normal agora é dizer que tudo é o novo normal. Mudou a Terra, mudaram o Céu e o Inferno. O Diabo deve estar acusando Deus de ter criado essa doença como golpe baixo. Se fosse apenas um acelerador de desencarnes, tudo bem. Mas precisava ser também um “redentor evolutivo”? Deus, por sua vez, deve estar acreditando que, se essa é uma das obras do Diabo, ele errou na dose. Mas eu acho que ambos logo vão se dar conta de que se trata apenas de uma das “realizações” humanas. A gente desmata, polui, envenena, maltrata a natureza e não percebe que esse desequilíbrio todo gera coisas que sempre se voltam contra nós. Como esse vírus de agora, como outros que vieram antes e como todos os que ainda teremos que enfrentar. Na hipótese de sobrevivermos, claro.

Se a doença veio para “purificar” a humanidade, como esses mesmos fanáticos religiosos juram, esqueceu no caminho parte do protocolo. Porque está matando gente errada e poupando a escória. Se morrem o seu João e a dona Maria, o casal vira estatística. Se adoece o ministro que incentivava contágio com seu comportamento, leva para o Hospital Albert Einstein, com despesas pagas com dinheiro público, pede prece por ele nas redes sociais e, em silêncio, não deixa usarem os remedinhos que o Mito recomenda, nem tampouco ozônio.

30.11.2020

A perfeição e as máscaras da falsidade

No bônus musical de hoje, a muito oportuna Perfeição, do Legião Urbana. Ela integrou o álbum O Descobrimento do Brasil, lançado em 1993. Mas poderia ser de agora, novembro de 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s