A série televisiva Manifest, que está na Globo Play, já com sua terceira temporada prevista para esse ano, pode ter sido baseada em uma história acontecida em nosso país. Um voo partindo da Alemanha com destino à América do Sul e pouso previsto para Porto Alegre, jamais chegou ao seu destino. Ele iniciara viagem em 04 de setembro de 1954. Estavam a bordo 92 pessoas, sendo 88 passageiros e quatro tripulantes. Depois de algumas horas, quando sobrevoava o Atlântico, não houve mais contato com o avião e ele foi dado como desaparecido. As buscas se revelaram infrutíferas e tudo teria ficado como mais um acidente aéreo sem solução. Isso até que o mesmo avião foi identificado fazendo manobras de aproximação no Aeroporto Salgado Filho, na capital gaúcha. O problema é que isso ocorreu no dia 12 de outubro de 1989. Ou seja, 35 anos depois da partida. Após autorização para pouso, ninguém saiu do avião. E as autoridades, ao entrarem, teriam se deparado com todos os ocupantes mortos, inclusive os pilotos.

O fato chegou a ser publicado pela imprensa sensacionalista, nos EUA (ver o fac-símile ao final deste texto). Mas nunca se conseguiu comprovar a sua veracidade. Quem acredita que isso aconteceu, assegura que o evento foi acobertado. Mas essa história também possui todos os componentes para ser mais uma lenda urbana. Dessas que é tão absurda que tem tudo para ser real. Onde teria estado o avião, durante todos esses anos? E como poderia ter voltado a tocar no solo, com segurança, se ninguém dentro dele estava vivo e em condições de pilotar? A primeira questão pode ser respondida com a aceitação daquilo que a ciência chama de “buracos de minhoca”. Isso é algo que existe, em teoria, como uma espécie de portal da passagem, uma fenda no espaço-tempo. O que seria um problema e ao mesmo tempo uma forma de permitir viagens a distâncias inimagináveis, além de passeios entre aquilo que chamamos de passado, presente e futuro. Mas a segunda pergunta, sobre a morte dos ocupantes, essa não tem nem mesmo teoricamente quaisquer explicações.

Outros casos de sumiços de aeronaves têm reais condições para se levar a sério sua estranheza. Ocasiões nas quais, se houve desastre, não existem nem destroços para comprovar e muito menos corpos. Um dos mais estranhos foi em 1956, quando um bombardeiro B-47 Stratoiet dos EUA, levando duas bombas atômicas a bordo, desapareceu em meio a nuvens, sobre o Mar Mediterrâneo. Integrante de um grupo de quatro aviões que voavam juntos, houve problemas de visibilidade por alguns minutos e, ao saírem para céu aberto outra vez, só estavam três no ar. Não houve nenhuma comunicação e jamais apareceram sinais de que tenha caído. Em 1979 um Boeing 797 cargueiro da Varig desapareceu após decolar de Tóquio para Los Angeles, levando 153 pinturas do artista plástico nipo-brasileiro Manubu Mabe, avaliadas em quase três milhões de dólares. Sumiu sem deixar vestígios após uma hora de voo. Em 1945 cinco aviões da marinha norte-americana, com 14 homens no total, desapareceram juntos durante treinamento sobre o Triângulo das Bermudas. Nada foi encontrado, apesar das buscas criteriosas. Em 2014 um Boeing 777 com 227 passageiros e 12 tripulantes sumiu após decolar da Malásia, com destino a Pequim. Esse é o caso mais recente e com maior número de suposta perda de vidas. Uma peça metálica encontrada anos depois, em ponto muito distante da rota prevista para esse voo, gerou controvérsias sobre ser ou não dele. Além destes quatro exemplos, muitos outros poderiam ser citados.

A série dramática Manifest é bastante interessante e eu vi todos os episódios disponíveis até agora. Criada por Jeff Rake, para a NBC, gira em torno de passageiros e tripulantes de voo comercial que parte da Jamaica para os EUA, enfrenta turbulência e termina sendo dado como desaparecido. Mas volta a pousar, cinco anos depois, com os ocupantes do avião não tendo enfrentado passagem do tempo. Para eles a viagem durou o tempo que deveria ter durado; para quem os esperava, não. Um menino que tinha irmã gêmea, por exemplo, continua pequeno e a reencontra já adolescente. Além do mistério de não se saber como isso aconteceu, as pessoas que reaparecem começam a ter uma espécie de paranormalidade, ouvindo vozes, prevendo eventos. Poderes que seriam muito úteis fora da ficção, para resolver situações reais que afligem a aeronáutica no mundo todo. E não apenas ela.

29.08.22020

Fac-simile de jornal sensacionalista norte-americano

Trailer da série Manifest, com legendas em português.

Música Medo de Avião, de Belchior, lançada em 1979 no disco de mesmo nome.

6 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s