SOPHIA LOREN NASCEU EM PALMEIRA DAS MISSÕES

O ano era 1939. Seu pai um alemão e a mãe, esta era uma brasileira. Veio ao mundo no noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Palmeiras das Missões, sendo Ektor von Hoffmeister o nome de batismo. Mas, na capital carioca, onde passou boa parte da vida, ficou conhecida como Sophia Loren, em função de semelhança física com a atriz italiana. E terminou sendo Irajá, um terceiro e aparentemente definitivo nome, quando atuou e alcançou reconhecimento no mundo da moda. Conheci essa história recentemente, graças a um texto excelente de Jandiro Koch (*), o que tento reproduzir agora, com menor precisão e menos detalhes.

Como Ektor, teve que ir embora da terra natal, motivado pelo fato de não poder ser nela aquilo que entendia como sua verdade. E consta ter sido aluno da Escola Militar de Três Corações. Como Sofia, foram tempos difíceis os primeiros passados no Rio de Janeiro. Houve inclusive envolvimento com roubo de joias, que teria sido praticado ao lado de Raulina (Raul Ambrósio), Nádia (Nei) e Marisa (Lourival), em residência no bairro do Leblon. Rendeu cadeia e muita matéria nos jornais, que os apresentava como “A Gang dos Pederastas”. Interessante é que elas descreviam o gaúcho de uma forma que servia para aumentar e muito a curiosidade de todos sobre ele. “Moço de constrangedora beleza”, ou ainda “Rapaz de boca recortada, olhos verdes e agudos”, em dois textos do Última Hora, para servir de exemplo.

Com a repercussão do fato e a reação prevista e horrorizada do pessoal “de bem”, das famílias tradicionais e de outras hostes conservadoras, a polícia deflagrou uma operação que deteve dezenas de homossexuais na Zona Sul. Acontece que muitos deles tinham contato com pessoas de grande influência, gente da política e empresários. Um deles, por acaso também gaúcho e conhecido como Elvis Presley, conseguiu que nada menos do que um senador da República intercedesse pelo grupo. Assim, acabaram sendo soltos.

Ektor/Sophia trabalhou como vitrinista e decoradora depois de solto(a). E, algum tempo depois, conseguiu espaço para se apresentar em boates, como cantora. Um desses endereços era a Favela, em Copacabana. Chegou a ser marcado um teste seu pela gravadora RCA, que nunca se soube ter ou não acontecido. Também esteve atuando no Teatro Recreio e na casa Night and Day, na Cinelândia. E trabalhou com Grande Otelo e Consuelo Leandro. Com a fama que angariou, partiu para apresentações em Paris e Roma. E voltou para o Rio Grande do Sul para o casamento de sua irmã Maria Elaine Hoffmeister. No total eram cinco os filhos do casal Homero e Etelvina. Aliás, um dos irmãos foi nome de destaque no futebol, não tanto por ter defendido as cores do Esporte Clube Cruzeiro – então sediado em Porto Alegre, recentemente mudado para o município de Cachoeirinha –, mas porque mais tarde se tornou presidente da Federação Gaúcha de Futebol. 

Não muito depois disso, foram-se Ektor e Sophia. Isso porque estava na hora de surgir Irajá. Porque desde que conhecera a capital da Itália, conheceu também um novo amor: pela alta costura. Foi então aprimorando o pouco de desenho e pintura que trouxera da adolescência. Ao mesmo tempo, conseguiu trabalhar como manequim masculino para as marcas Brioni e Pierre Cardin. Com seis anos passados em função desse sonho, naquele país, superou desconfianças e conseguiu reconhecimento. Dois financistas ingleses então o levaram para Paris. Em 1970 veio apresentar suas coleções em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. Nas três cidades foi aplaudido.

Na Europa, seguia sendo badalado e tendo muita gente famosa como cliente. Consta, por exemplo, que Grace Kelly, a atriz que virou princesa de Mônaco, era figura constante. Assim como também Bessie Wallis, a Duquesa de Windsor. Aquela mesma norte-americana que levou Eduardo VIII a abdicar no Reino Unido, para se tornar seu terceiro marido. Com isso seu irmão assumiu o trono que, com sua morte, passou para a rainha Elizabeth, a quase eterna. O que nunca se conseguiu confirmar com absoluta certeza é se, em Palmeira das Missões, sua fama e o dinheiro conseguiram superar o ranço bastante preconceituoso, transformando o sentimento em algum orgulho. Mesmo que constrangido.

14.11.2022

Ektor von Hoffmeister, a Sophia Loren gaúcha

(*) Jandiro Adriano Koch é um escritor e historiador, natural de Estrela, no Rio Grande do Sul. Especialista em gênero e sexualidade, foi o vencedor do Prêmio Açorianos de Literatura 2021. O texto original no qual foi baseada a crônica de hoje pode ser encontrado no Grafia Drag, um blog cultural de ensaios e entrevistas.

O bônus musical de hoje é Preconceito, composição de Fernando Lobo e Antônio Maria, na voz de Cazuza.