ARMAS QUÍMICAS

Pouco mais de um século atrás o uso de armas químicas já era condenado, com seu emprego sendo considerado crime de guerra. Uma coisa que é bastante estranha de se entender, isso dos conflitos bélicos terem essa espécie de “código de honra”, estabelecendo que formas são aceitáveis para matar os inimigos e que formas não podem ser usadas. De qualquer maneira esse critério, que foi estabelecido como uma espécie de “graduação da crueldade”, de fato existe. Mesmo que, como todos nós sabemos, nem sempre ele seja respeitado. A decisão fora tomada em 1907, durante a Convenção de Haia. Ficavam proibidos a partir de então o uso de venenos ou armas tóxicas de qualquer natureza, que atingissem água ou solo. O documento citava ainda o pueril uso de flechas envenenadas. Gases não eram contemplados no texto porque simplesmente ainda não existia nenhum que tivesse esse fim. Pois bem: voltando à informação inicial, esse tipo de recurso nunca havia sido utilizado quando, numa batalha ocorrida em 1915, na Bélgica, os alemães recorreram a ele.

Foi durante a Primeira Guerra Mundial, na noite de 22 de abril. Soldados franceses e alemães disputavam território nas proximidades de Ypres, no noroeste da Bélgica. A luta pela posse da cidade se prolongava, sem perspectivas de vitória, quando um gás tóxico foi empregado. Centenas de recipientes de metal contendo cloro líquido haviam sido enterrados pelos alemães. Quando surgiu uma oportunidade, com a direção favorável do vento, eles abriram as válvulas e dispersaram 180 toneladas do produto. Liberado, esse líquido pressurizado se transforma rapidamente em um gás, que se espalha próximo ao solo, justo onde ficam as trincheiras.

Uma nuvem de cor amarela flutuou na direção dos inimigos, causando horror e desespero. Cegos e sufocados, rostos vermelhos e em brasa, tossindo desesperadamente, os franceses tentavam em vão recuar para posições mais seguras. Três mil deles morreram e outros sete mil sobreviveram, mas com corrosões graves. Segundo o historiador Ernst Peter Fischer, foi este o instante que marcou a perda da inocência da ciência. Essa, que deveria ser sempre usada para melhorar as condições de vida das pessoas, acabara de extinguir propositalmente milhares delas.

Foi o químico alemão Fritz Haber quem descobriu que o gás de cloro poderia ser usado como uma arma estratégica. Ele sabia que o produto ataca as mucosas, causa forte secreção de líquido e muco, dispneia e termina levando à morte. Tudo com a vantagem de ser barato, uma vez que se tratava, na época, de um resíduo industrial. Este foi o primeiro entre todos os cientistas conhecidos a colocar o seu conhecimento a serviço das Forças Armadas. Pelo sucesso alcançado nessa “batalha experimental”, recebeu a patente de capitão – esse gosto doentio pelo sofrimento e morte dos outros está me lembrando de outro capitão agora. Foi ele também quem descobriu a possibilidade de se produzir amônia com a combinação de hidrogênio e nitrogênio. Um bom método para fabricação de certos fertilizantes, por exemplo, mas também para que com ele se façam explosivos. Essa descoberta lhe rendeu o Prêmio Nobel de Química em 1918.

Esse novo produto surgido do saber de Haber recebera o nome de Zyklon A. Em setembro de 1941, já na Segunda Guerra Mundial, uma variedade dele, o Zyklon B, que era usado para fumigação, foi aplicado para dizimar 600 prisioneiros de guerra soviéticos e 250 pessoas enfermas, no Campo de Concentração de Auschwitz. Em forma de um granulado, quando em contato com o ar ele se transforma em um gás letal. No total, aproximadamente 1,1 milhão de vidas foram tiradas com esse método pelos nazistas, até o final dos conflitos, em 1945. Um detalhe que soa ainda mais sinistro está no fato do inventor ser judeu. O que o levou a ter que fugir da Alemanha durante o regime liderado por Hitler, indo para a Inglaterra.

Entretanto, se faz necessário explicar que essa conduta não ficou restrita aos alemães, nas duas guerras. Outros países acabaram fazendo o mesmo. O fosgênio e o gás de mostarda foram largamente aplicados. O requinte da técnica permitiu inclusive o uso combinado de mais de uma dessas substâncias. Os militares da época apelidaram essa receita de “tiro colorido”. E as indústrias produtoras alcançaram lucros exorbitantes com isso. O grupo BASF, por exemplo, foi um deles. Em termos de baixas, na Primeira Guerra Mundial foram 90 mil os soldados que tombaram vitimados por gases tóxicos. Em função disso foi assinado um documento chamado de Protocolo de Genebra, ao seu término, tentando alcançar seu banimento. Mas as pesquisas e o seu aprimoramento continuaram disfarçados, como sendo estudos para o combate de pragas agrícolas.

Durante a Guerra do Vietnã os EUA aplicaram largamente um herbicida e desfolhante químico, o “agente laranja”. A vegetação era praticamente dissolvida, expondo os soldados vietcongs que se tornavam alvos muito fáceis. O solo ficou envenenado, causando deformidades por muitos anos. Em agosto de 2013 houve um ataque com armas químicas na Síria, com governo e rebeldes até hoje se acusando mutuamente, no tocante à autoria. E esses recursos de destruição em massa já foram inclusive usados como pretexto para outros conflitos. Como quando os EUA atacaram o Iraque, supostamente porque ele as possuía, o que depois foi comprovado ser uma mentira plantada pelo governo Bush. E assim caminha a humanidade. Sabe-se lá até quando.

01.09.2021

O uso de máscaras contra gases passou a integrar a lista de equipamentos militares

No bônus de hoje a cantora e compositora norueguesa Sigrid, com a música Everybody Knows (Todo Mundo Sabe), do cananense Leonard Cohen. O clip está legendado com a tradução da letra em português. E, ao final, está a explicação de que a intenção de Cohen,  com essa composição de 1988, era demonstrar que, no fundo, não estamos no controle dos nossos destinos, mas “apenas navegando em um barco comandado por outros, que está afundando”.

O VENENO NOSSO DE CADA DIA

No Estado onde eu nasci e sempre morei, o Rio Grande do Sul, o mais meridional entre todos no Brasil, desde 1982 existe uma lei que tornou mais rigoroso o controle sobre o uso de produtos agrotóxicos e biocidas em seu território, comparativamente com o restante do país. E essa conquista foi simplesmente o resultado da inclusão, no texto legal, de uma norma bastante lógica: não se pode comercializar e usar nenhum produto que tenha sido banido no seu país de origem. Ou seja, se quem o fabrica prefere não correr os sérios riscos que sua aplicação pode trazer, por que cargas d’água devemos ser cobaias para os laboratórios ou, no mínimo, permitirmos sua lucratividade quando saúde e vidas em jogo são as nossas e não as deles?

No restante do país – desconheço se alguma outra unidade federativa também tratou de se proteger melhor, como a nossa – basta o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Assim sendo, dando um exemplo, se um laboratório alemão produz um agrotóxico que na Alemanha não é aprovado para uso, ele não pode ser adquirido e usado por agricultores gaúchos. E vale o mesmo para produtos de quaisquer outras procedências. Mesmo com todo esse cuidado, nos últimos 39 anos, é altíssimo o índice de mortalidade devido a aplicações disso que a publicidade sempre fez questão de chamar de “defensivos agrícolas”. Porque mesmo os autorizados são muito tóxicos, a quantidade aplicada foge ao recomendado e ainda porque entram ilegalmente muitos que não poderiam estar sendo usados.

No Brasil, entre 2010 e 2019 foram oficialmente registrados 46,7 mil atendimentos de intoxicações diretas por agrotóxico, no momento do seu uso. Deste total, mais de 1,8 mil pessoas acabaram morrendo, com ênfase no sudeste e no nordeste. Pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) aponta para uma enorme subnotificação, significando que foram muito mais casos. Na última década a comercialização em nosso país vem crescendo, segundo os Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS), estudo elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No ano de 2017 já foram mais de 500 mil toneladas. Em 2016 já aplicavam em média 6,9 quilos por hectare plantado; sendo hoje muito mais. E 64,1% dos venenos eram considerados perigosos e outros 27,7% muito perigosos. Como eles ficam residualmente nos alimentos, chegam ao corpo humano, onde se acumulam. A imensa maioria não é expelida, ficando armazenada no organismo e sendo importante causa de vários tipos de câncer.

O agrotóxico mais usado no Brasil é o glifosato – o Roundup, da Monsanto –, que vem sendo banido em toda a Europa. Os poucos países que ainda permitem seu uso, determinaram prazo final para a retirada, até início de 2023. Ele está relacionado aos cânceres de mama e de próstata, linfoma e várias mutações genéticas. A International Agency for Research on Cancer (IARC), da Organização Mundial da Saúde, confirma isso. A Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí) tem alertado para a grave situação na sua área de abrangência. Segundo a instituição, os agricultores têm abusado do uso de substâncias para secar culturas fora da época da colheita, buscando ampliar resultados. Além do glifosato, eles têm aplicado o 2,4-D, que é um dos componentes do “Agente Laranja” que o exército dos EUA usava durante a Guerra do Vietnã para desfolhar árvores e identificar soldados inimigos que nelas se escondiam, para emboscadas. Ele causa necrose nos rins e morte de células pulmonares, provocando asfixia. Pior é que pessoas acometidas não podem sequer receber oxigênio, porque o gás potencializa o efeito da droga.

Agora, diante desse quadro modesto e incompleto que apresento, porque a situação é muito mais complexa e grave, fica uma pergunta que não quer calar. Por que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, do PSDB, encaminhou para a Assembleia Legislativa, em caráter de urgência, um projeto de lei que, entre outras providências, retira aquela defesa extra – mesmo insuficiente – que a população ainda tem? A votação deve ocorrer essa semana. Se ele for aprovado, as substâncias proibidas no exterior poderão entrar no nosso Estado legalmente, agravando algo que há muito vem fugindo do controle. Que interesses estão por trás disso? A saúde da coletividade pode ser oferecida de bandeja, para lucro extra de alguns poucos?

29.06.2021

No bônus de hoje, Chico César com a música Reis do Agronegócio. O nome completo desse compositor, cantor, jornalista e escritor natural da Paraíba é Francisco César Gonçalves.