A BASE NAVAL NAZISTA EM SANTA CATARINA

Os escombros ainda estão lá, para quem quiser ver. Desde que obtenha autorização da Marinha do Brasil, naturalmente. Na Ilha da Rita, em São Francisco do Sul, Santa Catarina, havia uma base naval especialmente construída para abastecer submarinos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial. Isso aconteceu um pouco antes da entrada do Brasil no conflito, forçado a optar pelo lado Aliado devido à interferência dos EUA. Durante todo esse tempo as Forças Armadas brasileiras fizeram de conta que tal local nunca existira, mas agora não puderam mais esconder esse segredo, com o vazamento de documentação que comprova ter sido verdade. O que só oficializa aquilo que pode ser visto quando uma expedição consegue permissão para visita.

A construção é de 1940, provavelmente tendo sido autorizada por Getúlio Vargas. Ou nossas Forças Armadas não tinham a menor noção do que ocorria no território brasileiro. Nela se vê muros de contenção e grandes tanques, onde eram armazenados combustíveis e água potável, com os dutos necessários. Na parte fortificada existem orifícios que ocupam lugares estratégicos no muro, por onde seria possível realizar disparos de fuzil, havendo necessidade. Escadarias cercam o local, que conta também com uma construção de devia servir para reuniões nas quais eram discutidas estratégias de combate. E locais de armazenagem de material bélico e mantimentos, além de um espaço que se percebe era usado como oficina.

Essa ilha fica na Baía da Babitonga, na foz do rio Palmital, entre as cidades de Joinville e Itapoá, um dos estuários mais importantes do vizinho Estado. Sua localização exata é definida pelas coordenadas 26°15’03″S 48°42’29″W. É um verdadeiro santuário ecológico, onde o passado registra envolvimento com mortes, se não diretamente no local, na certa causadas por quem dele fez uso, ao longo do conflito.

Santa Catarina em especial, mas também o Rio Grande do Sul, sempre foram locais intimamente ligados à Alemanha. O grande contingente de imigrantes que já habitavam o sul do Brasil era fator a estimular e manter contato direto com esse país europeu. Vínculos não apenas de origem, como também ideológicos, eram bastante comuns. Com certeza, se fosse considerada a vontade dos moradores desses dois Estados, não seria ao lado dos Aliados que as Forças Expedicionárias Brasileiras teriam lutado, naquele conflito. E o governo brasileiro relutou muito em tomar partido, só fazendo isso bem no final do conflito e depois que navios cargueiros brasileiros foram afundados no Oceano Atlântico, supostamente pela marinha alemã.

Bem difícil, agora que também por documentos se comprovou o que era feito na ilha, se torna entender a razão pela qual submarinos alemães iriam torpedear navios justo do país que os acolhia. Enfim, a história é sempre composta de versões e escrita aos poucos. E não raras vezes precisa ser reescrita, quando surge alguma evidência que permanecia antes propositalmente menos evidente. Oculta, como estão aqueles escombros agora, por densa vegetação.

08.07.2022

Mapa com a localização da Ilha da Rita, no litoral norte de Santa Catarina

O bônus de hoje é uma versão em alemão da música Yellow Submarine, dos Beatles. O cantor é William McCreery Ramsey (1931-2021), que tinha repertório de jazz e pop. De origem americana-alemã, ele também era jornalista e foi ator de relativo sucesso.

DICA DE LEITURA

EXPRESSÕES DO NAZISMO NO BRASIL: partido, ideias, práticas e reflexos. Taís Campelo Lucas e Bruno Leal (org.) – R$ 59,00

Essa é uma obra que já nasce clássica. Reunindo os principais pesquisadores brasileiros sobre a temática, o livro analisa o impacto do nazismo no Brasil, nas suas diversas esferas.

Basta clicar sobra a imagem da capa do livro e você será direcional para a possibilidade de aquisição. Comprando através desse link, o blog será comissionado.

O FASCISMO NA UCRÂNIA

Toda e qualquer guerra, por mais que se busque encontrar para ela uma justificativa, não deixa de ser uma irracionalidade. Se torna nova prova cabal e quase definitiva da incapacidade humana de sermos ao mesmo tempo racionais e empáticos, capazes de entender quaisquer questões também por ponto de vista oposto ao nosso. E esses conflitos, que são sempre decididos pela força maior ou pela eficiência no uso dos recursos militares disponíveis, atualmente têm um ingrediente novo e tão ou mais importante, que é o domínio das informações e o controle das narrativas. Já citei aqui mesmo no blog, em outro texto meu – Sobre Rússia e Ucrânia, em 28.02.2022, cujo link deixo abaixo –, a frase que é atribuída ao dramaturgo grego Ésquilo: “numa guerra, a primeira vítima é sempre a verdade”. Mesmo sem a comprovação sobre ser de fato de sua autoria, ela é precisa. E está ocorrendo mais uma vez agora, talvez como uma intensidade jamais vista antes, no conflito entre Rússia e Ucrânia.

Minha avó materna usava algumas expressões de origem na agricultura (ou ao menos no campo), por assim dizer, que caberiam todas para qualificar o presidente russo Vladimir Putin: não é trigo limpo, não vale o feijão que come e não é flor que se cheire. Vários de seus adversários políticos, por exemplo, sofreram estranhos envenenamentos e perderam a vida ou ficaram com sérias limitações, nos últimos tempos. Mas o enorme esforço da mídia ocidental para dar a ele a culpa exclusiva em relação à guerra que está ocorrendo, soaria apenas patética, não fosse meramente resultado da falta de apuração dos fatos ou do atrelamento a interesses mais do que conhecidos e um tanto escusos. Algumas vezes foi citado o expansionismo alarmante da OTAN, que fora criada no tempo da Guerra Fria e que em tese agora já nem seria necessária, como uma forma de ameaça constante contra a qual a Rússia já havia inúmeras vezes protestado. Em outras, essas com um esforço elucidativo ainda bem menor, comentaram sobre o Batalhão Azov. Mas, em ambos os casos e com destaque para o segundo, com pudores exagerados e uma espécie de medo das repercussões de análises mais profundas.

Volto ao tema da guerra agora justamente para propor uma reflexão sobre a existência de uma organização que oscila entre a invisibilidade e o terrorismo. O Batalhão Azov foi fundado a partir da atuação paramilitar de ultranacionalistas ucranianos, remanescentes dos colaboracionistas que apoiaram o exército invasor de Hitler, na Segunda Guerra Mundial. Por lá também existe um braço político, com partido que lhes dá sustentação: o Svoboda. Fortemente armados e defendendo abertamente ideias neonazistas, eles se estabeleceram no leste e no sul da Ucrânia, especialmente nas áreas onde sempre houve um desejo separatista também forte. Falo de Donetsk e Luhansk, que formam a região de Donbass. A imensa maioria de sua população é de origem russa, sendo inclusive idioma e muitos costumes também compartilhados com moradores do outro lado da fronteira. Famílias inteiras sempre estiveram divididas apenas pela linha imaginária que distingue um e outro território. Natural, portanto, o desejo da região ser integrada à Rússia ou, pelo menos, obter a sua independência. 

Assim, havendo uma dificuldade de ação direta do exército ucraniano, o governo central optou por fazer vistas grossas para as ações do Azov. E essas atividades incluíam crimes como ameaças, saques, cobrança por “segurança” – ao melhor estilo dos milicianos cariocas –, estupros e muitos assassinatos, que vinham acontecendo pelo menos desde 2013. Só que o resultado foi aumentar a vontade dos habitantes locais de se afastarem de Kiev, tendo maior aproximação com Moscou, a quem passaram a pedir um auxílio necessário para sua sobrevivência, que não vinha da própria capital. Importante salientar que o Azov não é composto apenas por ucranianos. Fanáticos da extrema direita de várias partes do planeta passaram a usar aquele território como uma verdadeira escola para a formação de mercenários, com aulas de guerrilha e de tortura. Muitos brasileiros inclusive estiveram e estão por lá. Esse “intercâmbio” era visto, por exemplo, com a presença de bandeiras ucranianas nas manifestações bolsonaristas, nos últimos anos. Tem que ser ressaltado que as ações extremistas iam muito além da manutenção do grupo armado, incluindo até influência na fanatização de crianças e jovens. Fotos que ilustram esse texto mostram treinamento de grupos infantis feitos bem antes da guerra, com o ensinamento de manuseio de armas de fogo.

Sob forte ataque russo e com muitas baixas, o grupo foi aos poucos se deslocando mais para o sul, com uma concentração maior na cidade portuária de Mariupol. Devido à enorme importância estratégica que tem o local, mas também por essa presença, os bombardeios russos foram sendo intensificados. Em alguns momentos Moscou ofereceu que fossem estabelecidos corredores humanitários, mas o sucesso foi pequeno. Isso porque os ultranacionalistas não permitiam a retirada da maioria dos civis, que lhes servem de escudos humanos e de propaganda contra os “comunistas desumanos”, que não deixam de atacar mesmo havendo muitos idosos, mulheres e crianças no local. Hoje estão cerca de dois mil desses mercenários, com um número não determinado de soldados ucranianos da 36ª Infantaria Naval e centenas de inocentes, ocupando os túneis que existem no complexo siderúrgico e metalúrgico da cidade. Isso deixa o exército russo numa “sinuca de bico”: se ataca, mata quem não deveria morrer; se apenas mantém o cerco, essas mesmas pessoas morrerão de fome, porque a comida escassa não será distribuída para ninguém além dos homens armados.

Interessante é que existem centenas de relatos sobre a ação criminosa dos extremistas do Azov, em especial de 2014 para cá. Até 2021, estimativas apontavam que quase 11 mil pessoas foram mortas por eles e 1,4 milhão terminaram deslocadas das suas residências. São textos e também uma grande cobertura fotográfica disponível. Entretanto, boa parte da imprensa não busca essas informações para rechear seus relatos, preferindo usar apenas aquilo que agências de notícias ocidentais repassam. As mesmas, por exemplo, que mostraram um tanque ucraniano passando de propósito sobre um automóvel ocupado por civis, garantindo que ele era russo. Depois, como ficou evidente o “equívoco”, uma vez que aquele modelo sequer integra o armamento russo, precisou voltar atrás, confirmando que o crime não havia sido perpetrado pelos invasores. William Bonner foi um dos que leram constrangidos uma nota esclarecendo o fato.

Para concluir, que fique claro: não se deve acreditar que existam nem mocinhos nem bandidos declarados. Ambos os lados têm suas culpas e responsabilidades, sendo necessário terminar com essa explicação simplista que ocupa noticiários e redes sociais. O que se precisa é que isso tudo termine logo. Para que menos vidas sejam perdidas e menos desculpas possam ser dadas, para tantos acontecimentos na economia e na política, com gente aproveitando o conflito como cortina de fumaça para situações que são causadas por motivos bem diversos.

27.04.2022

Você realmente deseja que o Brasil se transforme em território de milícias e mercenários armados pela extrema-direita?

Mulheres e crianças ciganas são amarradas em postes por neonazistas em Lviv, na Ucrânia.
Seus rostos foram pintados com o corante zelyonka, difícil de ser removido e que provoca queimaduras na pele e nos olhos.

O bônus de hoje é uma versão da música ucraniana Kukushka (Cuco), feita por Daria Volosevich. O vídeo foi produzido na região de Donbass, cidades de Luhansk e Donetsk, quando ainda o que ocorria era uma guerra civil. Está legendado em português.

DICA DE COMPRA

Você merece ter a sua Webcam Full HD Logitech C920s

  • Microfone embutido
  • Proteção de privacidade
  • Chamadas e gravações em vídeo Full HD de 1080p
  • Software avançado Logitech Capture
  • Áudio estéreo com microfones duplos
  • Foco automático e correção de luz