24 HORAS

Tivemos, alguns anos atrás, um seriado na televisão com o nome de 24 Horas. Esse era o tempo que o protagonista tinha para resolver alguma grave crise que ameaçava o seu país. Os EUA, lógico. Mas Jack Bauer era implacável e conseguia vencer sempre os inimigos da democracia. Pois nós, aqui no Brasil, estamos agora diante do mesmo prazo, para resolver um drama igual. Dentro de 24 horas vamos estar diante das urnas eletrônicas tendo que digitar dois algarismos que, depois, irão indicar se nossa nação voltará à normalidade democrática ou seguirá por mais quatro anos de desatino e autodestruição.

A série norte-americana produzida pela Fox teve sua estreia apenas oito semanas depois do incidente de 11 de setembro de 2001. E recebeu, ao longo de todo o tempo em que foi exibida – até 2014 –, nada menos do que 20 Emmys e dois Globos de Ouro. O que não é nada pouco. Seus criadores partiram da premissa de que os episódios de cada temporada eram, na imensa maioria das séries, 24. E que esse, sendo exatamente o mesmo número de horas de um dia, iria permitir uma espécie de “história em tempo real”. Essa correlação foi aproveitada pelos criadores Robert Cochran e Joel Surnow de tal forma que cada episódio equivalia a uma hora do dia no qual a trama toda se desenvolvia. Em alguns momentos a tela era dividida mostrando a quem assistia dois acontecimentos que eram de fato simultâneos. E um relógio ia mostrando o passar do tempo, inclusive com o som do tic-tac servindo para aumentar a angústia e o suspense.

Se eu consegui ser claro o suficiente, quem está lendo e não viu esses episódios na época em que também estiveram em canais de TV aqui em nosso país, uma temporada inteira mostrava uma única história. Tudo surgia e era resolvido em 24 horas, mas uma hora em cada semana. E, como nas melhores novelas, o suspense era sempre enorme entre um e outro dos episódios. A frase que anunciava o programa pode ser usada com perfeição para identificar esse 30 de outubro aqui no Brasil: Muitas coisas podem acontecer em um dia; e esse é um dia como nenhum outro. Kiefer Sutherland era o ator que dava vida ao agente da unidade antiterrorismo que precisava sempre desativar bombas, retirar reféns de situações limite e eliminar inimigos hostis.

A bomba fascista está pronta para explodir por aqui, depois de quatro anos sendo fortalecida, arregimentando fanáticos, armando a população, espalhando mentiras, cooptando segmentos cristãos e militares, criando uma realidade paralela. Os reféns são os cidadãos que preferem ver o país vivendo uma democracia plena, com real enfrentamento de nossos sérios problemas, como a desigualdade social e a precariedade evidente nos serviços públicos prestados aos que deles necessitam. E os inimigos hostis são aqueles que se locupletam com o sistema vigente, sem sequer uma gota de empatia e humanidade. Permitindo, por exemplo, que faltem vacinas e oxigênio necessários para salvar vidas; destruindo o sistema de saúde; aniquilando a educação e a pesquisa; incentivando o garimpo ilegal, o desmatamento, o maior empoderamento de milícias; insuflando o ódio; se apossando dos símbolos da pátria; e dividindo as famílias e a nação como um todo em dois grupos.

A diferença entre a nossa realidade e a ficção daquele seriado é que por aqui as horas serão em um só dia. Por enquanto, horas de expectativa. Amanhã, entre 8 e 17 horas na maior parte do território nacional, com a necessidade que os habitantes de regiões que têm fuso horário diferente do oficial de Brasília terão que se ajustar, começando e terminando uma ou duas horas antes. Outro detalhe que diferencia é que não teremos um único herói, um salvador da pátria: a tarefa de resolver isso de uma vez está distribuída entre milhões de brasileiros. Será uma espécie de mutirão que busca justamente afastar um falso messias. Fosse qual fosse aquele que contra ele estivesse nesse segundo turno, precisaria ser ungido – o termo está sendo usado de propósito – pelas urnas. Quem se apresenta para cumprir esse papel é Luiz Inácio Lula da Silva, então é nele que toda a esperança, na verdade toda a certeza, precisa ser depositada.

Chega de incompetência, basta de descaso com a vida das pessoas, chega de sigilo de cem anos protegendo a corrupção endêmica, não se aceita mais que “pinte um clima” entre um chefe do Executivo e meninas menores de idade, não concordamos com projetos como o preparado para o ano que vem, com o objetivo de reduzir o salário mínimo e os reajustes das aposentadorias. Ou ainda aquele anteriormente gestado e que está “em banho maria”, que pretende cobrar do povo o atendimento prestado pelo SUS. Queremos de volta um Brasil respeitado no cenário internacional. Que as universidades públicas voltem a ter reitores reais e não interventores. Que o poder aquisitivo das classes menos favorecidas aumente ao invés de minguar. Que o orçamento não tenha nenhum tostão com destinação secreta. Que diretores e delegados da Polícia Federal não sejam afastados ou exonerados, por estarem fazendo o seu trabalho. Que voltem a ser fortalecidos o IBAMA e o ICMBio, para a defesa e fiscalização do meio ambiente. Que todo e qualquer gabinete do Palácio do Planalto seja um local de trabalho e não de fomentação do ódio. Queremos um governo que governe para a maioria do povo e não para seu compadrio, para membros da família, para parceiros chegados pelas benesses oferecidas. Queremos maior controle da inflação e dos preços dos alimentos. Queremos trabalho sério pela erradicação da fome em nosso país. Queremos respeito e a restituição da dignidade.

No primeiro turno o candidato à reeleição, Jair Bolsonaro, obteve 43,20% dos votos válidos. Isso equivale a dizer que 56,80% dos brasileiros que compareceram às urnas disseram NÃO para ele, disseram NÃO para a possibilidade de haver continuidade. Então, prestemos atenção nisso, a diferença entre a aprovação e a desaprovação de seu governo é bem maior do que a verificada entre ele e Lula, que chegou em primeiro lugar, com 48,43% dos votos válidos. Os 57.259.504 votos dados ao candidato do Partido dos Trabalhadores e da Coligação Brasil da Esperança, no dia 02 de outubro, é o maior número já alcançado por quaisquer postulantes à presidência do Brasil em primeiro turno, na história.

Quando foi eleito pela primeira vez, em 2002, Lula teve 39.455.233 votos no primeiro turno (46,44%). E quando de sua reeleição, no ano de 2006, foram 46.662.365 (48,61%). Nos dois segundos turnos nos quais ele confirmou a escolha da maioria do eleitorado, recebeu em 2002 um total de 52.793.364 (61,27%); em 2006 foi reeleito com 58.295.042 (60,27%). Claro que existe aumento do número de votantes, a cada ano. E aconteceram também variações no número de abstenções. Mas foi sempre muito expressiva a sua aceitação, tanto em termos absolutos como em termos percentuais. E esse recorde de segundo turno tem tudo para ser batido amanhã. Para tanto, cada um de nós ainda tem essas poucas horas restantes para ser um Jack Bauer. Para conquistar um votinho a mais que seja e ir lá confirmar o seu. Para poder dizer depois, com todo o justo e merecido orgulho: “Eu ajudei a recolocar o Brasil nos trilhos. Eu contribuí para que terminasse o pesadelo e voltasse o sonho. E agora vou trabalhar para que o desejo de justiça e paz dessa nação se torne também realidade”.

29.10.2022

O bônus de hoje é múltiplo. Temos a reprodução de duas das peças da campanha eleitoral da Coligação Brasil da Esperança: a primeira intitulada Amanhã e a segunda com o jingle A Esperança Agora é Lula. Depois, o Coletivo Consciente de Orquestra e Coro, interpretando a música O Povo Unido Jamais Será Vencido, de Sergio Ortega e Grupo Quilapavún.

OS PRIMEIROS ROUNDS

Tudo bem: são 12 os candidatos à presidência que disputarão os nossos votos nas eleições de outubro. Mas tanto você, quanto eu e a torcida inteira do Flamengo – não sou nada fã desse clube, mas agora a expressão é bem conveniente – sabemos que apenas dois têm chances reais de vencer. No máximo outros dois nomes lutam pelo bronze, com ambos em grande esforço para chegar a um número de votos que atinja dois dígitos na votação em primeiro turno. Então, os movimentos dos primeiros colocados, que estão nessas posições desde que começaram a ser feitas pesquisas eleitorais, podem e devem ser olhados mais de perto. E três fatos recentes se destacam, nessa abertura de campanha oficial: as entrevistas que concederam ao Jornal Nacional, na semana passada; o início do horário de propaganda eleitoral gratuita; e o primeiro dos debates, ocorrido no último domingo, na Bandeirantes.

1 – Sobre as entrevistas na Rede Globo, quatro falaram: Bolsonaro, Ciro, Lula e Tebet, nessa ordem. A oportunidade foi ímpar, uma vez que o JN segue sendo o principal telejornal do país e nenhum dos candidatos terá outra chance de falar para um público tão amplo, ao longo de toda a campanha. Em termos de audiência – análise quantitativa –, o atual presidente marcou 32,3 pontos, seguido do petista, que ficou com 31,9. O candidato do PDT alcançou 29,2 e a emedebista registrou 21,2. Se for examinada a repercussão junto ao eleitorado – análise qualitativa –, as medições realizadas mostraram que Lula teve muito maior sucesso no sentido de provocar buscas no grupo de pessoas não alinhadas com a sua base. Ou seja, conseguiu disparadamente falar mais para fora da sua bolha, enquanto que Bolsonaro só navegou com desenvoltura entre os seus. Assim, a chance de o petista ter angariado mais votos foi muito maior.

Merece destaque ainda um trabalho importante, realizado para a aferição da qualidade do que foi dito: o realizado pela agência de notícias Aos Fatos. Ela se debruçou sobre detalhes das falas trazidas ao Jornal Nacional, com checagem de dados estatísticos e verificação dos mais diversos arquivos, apontando a possível existência de informações enganosas, não totalmente certas e destacando também as verdadeiras. No caso de Bolsonaro, ao longo dos 40 minutos da sabatina ele mentiu 20 vezes, em outras três não estava sendo totalmente verdadeiro e em duas oportunidades foi correto nas suas afirmações. Lula teve seis inverdades, em duas vezes as coisas “não eram bem assim” e somou 13 colocações absolutamente corretas. As 20 mentiras de Jair Bolsonaro se concentraram em temas como a pandemia de Covid-19 (sete delas), na corrupção existente no seu governo (quatro) e na rixa com os ministros do Supremo Tribunal Federal (três). Das seis inverdades de Lula, destaque para duas delas que estavam relacionadas a realizações dos seus governos anteriores.

2 – O horário da propaganda eleitoral gratuita na televisão começou sem nenhuma novidade digna de nota. Insosso como 0x0 no futebol, em jogo mal disputado, sem qualquer oportunidade de gol. Ninguém surpreendeu, ninguém decepcionou. Exceto, claro, quando os vídeos são vistos com olhos literalmente militantes. Mas daí é como mãe coruja, que acha seu filhote o mais lindo do mundo. A razão disso é que nesse recurso em geral se guarda munição para os últimos dias. Ou, no mínimo, os temas são colocados aos poucos, seguindo uma lógica de convencimento. Até porque não há como em poucos segundos – ou alguns minutos, para os mais aquinhoados – expor uma visão mais ampla e defender quaisquer propostas. Outro fator é que o tempo é pulverizado entre candidaturas também para governadores, senadores, deputados federais e estaduais.

3 – Quanto ao primeiro debate televisivo, esse se prestou a análises que se mostraram distintas e até mesmo contraditórias. O que mais foi motivo de concordância foram as opiniões de que Simone Tebet foi quem melhor se saiu; que Jair Bolsonaro estava contido como se houvesse sido medicado e mesmo assim pisou na bola ao agredir verbalmente a jornalista Vera Magalhães, quando essa lhe dirigiu uma pergunta; que Ciro foi mais do mesmo; e que Lula brilhou menos do que na entrevista da semana anterior. As divergências se concentraram na determinação das razões porque essas situações aconteceram.

Simone Tebet saiu radiante porque entende que cresceu muito. Se isso se confirma ela passa a ter dois trunfos: assume como liderança em ascensão, num partido que há muito se mostrava decadente, podendo almejar sucesso em situações futuras; e também se cacifa para negociar apoio em eventual segundo turno, que passa a ser mais provável justo se ela confirmar a impressão de crescimento. Os assessores de Bolsonaro, por sua vez, saíram da Band com uma nova dor de cabeça. Porque seu candidato continuou sendo um samba de uma nota só, mas desafinado. Conseguiu se repetir para o cercadinho, onde nem seria necessário. E ampliou o problema com as mulheres, justo aquela fatia do eleitorado onde ele tem maior rejeição.

Ciro foi outro que tomou algum calmante, pois estava menos raivoso do que o habitual. O que talvez o tenha deixado com reação mais lenta, em alguns momentos. O pior foi logo no começo, quando ele perguntou a Bolsonaro sobre a volta da fome, recebeu como resposta uma tangente ridícula, com o presidente falando da inflação, e não aproveitou a réplica para repetir a pergunta e mostrar que o adversário estava fugindo. Algo básico num debate. E com Lula, o que houve? As primeiras explicações apontavam uma certa apatia, um cansaço, com a maioria dos críticos correndo nessa direção. O que talvez fosse do seu interesse. O que precisa ser pensado, também, é que ele está liderando e poderia se dar ao luxo de usar esse primeiro embate para analisar o tabuleiro. Acho que fez isso e mostrou mais uma vez o quanto joga bem esse jogo.

Mesmo na ponta das pesquisas, conseguiu não ser vidraça. Pavimentou a estrada para que Tebet brilhasse e assistiu de camarote ela e Ciro irem contra Bolsonaro. Ainda mais: fez sutis movimentos para atrair esses dois para um eventual segundo turno, com alguns “quase convites” sendo antecipados. Disse que Ciro e ele ainda irão conversar; destacou a atuação de Tebet na CPI da Covid, um dos tantos calcanhares do presidente; e voltou a deixar seu principal adversário muito nervoso com a promessa de que por decreto irá acabar com a chuva de sigilos de cem anos que andaram sendo determinados sem razões plausíveis.

Além desses quatro, também o candidato à presidência pelo Novo, Luiz Felipe d’Ávila, bem como a postulante Soraya Thronicke (União Brasil), foram convidados. Supostamente isso foi feito porque os organizadores temiam que Bolsonaro e Lula pudessem faltar, e com apenas dois não seria um debate digno de ser assim chamado. Terminou ficando gente demais e reduzindo possibilidades de embates, de comparações entre propostas diferentes.

Para concluir, ressalte-se que é plenamente viável que se goste de um candidato e ache que ele não foi bem em alguma entrevista ou debate. Do mesmo modo, também pode acontecer de não se gostar de um candidato e entender que ele se saiu bem ao ser sabatinado ou debater com os demais. Também conta pontos quando entrevistado ou debatedor demonstra ter domínio da situação. Isso se percebe quando a fala é feita com os olhos na câmera – afinal sua fala é para o público, para o eleitor –; quando não precisa ler e opta pela argumentação baseada em pensamento e não previamente posta no papel, ou algo escrito na mão; e quando tem repertório variado e controle emocional. Agora é esperar pelos rounds seguintes. A luta final, essa poderá ser decidida por nocaute (no primeiro) ou por pontos (no segundo). Isso saberemos em outubro.

31.08.2022

O bônus de hoje é uma paródia de Edu Kruger, Mundo Pelo Avesso. Nela o compositor relata sua experiência ao participar de um dos grupos de WhatsApp compostos por fanáticos bolsonaristas.