A FORÇA DE ROMARIA

É inegável a importância da religiosidade na formação do povo brasileiro. Católico, a partir da colonização portuguesa; tendo depois incorporado as afro-brasileiras, com a vinda dos negros escravizados; as protestantes, em especial com a chegada dos alemães luteranos; até chegar ao atual momento de uma multiplicidade incontável de religiões, o país sempre teve esse perfil. Entre outras tantas estão presentes agora a budista, a espírita e até as questionáveis pentecostais, nas quais o mundo espiritual parece ter perdido um pouco de importância e espaço para a enganosa “Teologia da Prosperidade”. Mas não é objetivo fazer agora nenhum estudo de religiões comparadas. Na realidade, o tema de hoje gira em torno de música. Mas não uma qualquer: falo de Romaria, de Renato Teixeira.

Trata-se de uma canção de estrutura simples, mas que caiu de tal forma no gosto popular que se tornou quase que um hino dedicado à Nossa Senhora Aparecida, por todo aquele e toda aquela que a canta. E até mesmo para quem a escuta, porque mesmo isso parece ser feito com muita devoção. Ela também é uma espécie de resgate da simplicidade do homem do campo, do autêntico caipira. E penetra no inconsciente coletivo das pessoas, sejam elas integrantes ou não das camadas mais humildes da população.

O santista Renato Teixeira de Oliveira – esse o nome completo – teve sua infância em Ubatuba, que também fica no litoral norte do Estado de São Paulo. Portanto, não é um caipira de nascença, mesmo tendo na sua trajetória artística contribuído de modo decisivo para a redescoberta e valorização deste gênero musical. Aos 14 anos, nova mudança da família o levou para Taubaté, a cidade natal de Mazzaropi, distante 43 quilômetros de Aparecida. Lá ocorreu o seu primeiro contato com a música caipira, ao mesmo tempo em que começou a tocar em um conjunto que se apresentava em festas, shows e bares, por influência de sua mãe, que era pianista.

Na cidade de São Paulo em 1969, com 24 anos, grava seu primeiro disco apenas como cantor. Mas não consegue viver só da sua arte. Então passa a produzir jingles, que são anúncios musicados. Até que, depois de observar atentamente o olhar e a postura dos romeiros em Aparecida, permite que sua sensibilidade aflore. O autor conta que gostava de compor sentado no chão, na frente de uma mesa baixa que tinha e onde escrevia. Foi nesse local que Renato compôs Romaria, escrevendo à mão, num pedaço de papel. Inacreditável é que a música ficou em seu poder, sem que nenhuma gravadora se interessasse por ela, durante três longos anos. Em 1977 conseguiu entregar pessoalmente a canção para Elis Regina, que de imediato quis gravá-la. E o sucesso foi instantâneo.

Ele revela que se deu conta disso ao ouvir, numa padaria, um rapaz assoviando a música. Mas, depois da gauchinha de Porto Alegre, ela foi uma das mais regravadas em toda a história, em nosso país. Então, o Renato Teixeira que começou carreira como cantor, começava a ser superado pelo compositor. Isso sem deixar de lado a atividade inicial. Nomes tão distintos quanto Ivete Sangalo e Sérgio Reis, Maria Bethânia, Daniel e Almir Sater, Thiaguinho e Maria Rita, entre muitos outros, a incluíram em seu repertório. São mais de cem, no total, incluindo as feitas fora do Brasil.

A letra de Romaria é um romeiro chegando ao santuário, vindo de sua casa, esteja ela onde estiver, levando nada além da sua fé. Ele tem consigo as dores e angústias do dia-a-dia e vai pedir, que elas sejam de alguma forma aliviadas. Mas em um trecho ele admite não saber nem sequer qual é a forma certa de rezar – como se houvesse uma –, e pede apenas com a sua presença. Com a súplica do olhar.

“Me disseram, porém, que eu viesse aqui/ Prá pedir de romaria e prece/ Paz nos desaventos/ Como eu não sei rezar, só queria mostrar/ Meu olhar, meu olhar, meu olhar”.

É muito provável que a santa o tenha atendido. Que atenda também aos que pedem paz nesse nosso momento. E que interceda por aqueles que ganharam recentemente o direito de trabalhar para fazer do nosso país um lugar melhor do que vinha sendo. Porque, com a sua proteção, deve ser mais fácil realizar isso que vai além de um sonho, sendo uma certeza.

24.11.2022

O bônus musical de hoje, obviamente, é Romaria. A gravação escolhida é uma feita em apresentação ao vivo de Elis Regina, em seu show Transversal do Tempo, na cidade de Lisboa, em 1978.

SOPHIA LOREN NASCEU EM PALMEIRA DAS MISSÕES

O ano era 1939. Seu pai um alemão e a mãe, esta era uma brasileira. Veio ao mundo no noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Palmeiras das Missões, sendo Ektor von Hoffmeister o nome de batismo. Mas, na capital carioca, onde passou boa parte da vida, ficou conhecida como Sophia Loren, em função de semelhança física com a atriz italiana. E terminou sendo Irajá, um terceiro e aparentemente definitivo nome, quando atuou e alcançou reconhecimento no mundo da moda. Conheci essa história recentemente, graças a um texto excelente de Jandiro Koch (*), o que tento reproduzir agora, com menor precisão e menos detalhes.

Como Ektor, teve que ir embora da terra natal, motivado pelo fato de não poder ser nela aquilo que entendia como sua verdade. E consta ter sido aluno da Escola Militar de Três Corações. Como Sofia, foram tempos difíceis os primeiros passados no Rio de Janeiro. Houve inclusive envolvimento com roubo de joias, que teria sido praticado ao lado de Raulina (Raul Ambrósio), Nádia (Nei) e Marisa (Lourival), em residência no bairro do Leblon. Rendeu cadeia e muita matéria nos jornais, que os apresentava como “A Gang dos Pederastas”. Interessante é que elas descreviam o gaúcho de uma forma que servia para aumentar e muito a curiosidade de todos sobre ele. “Moço de constrangedora beleza”, ou ainda “Rapaz de boca recortada, olhos verdes e agudos”, em dois textos do Última Hora, para servir de exemplo.

Com a repercussão do fato e a reação prevista e horrorizada do pessoal “de bem”, das famílias tradicionais e de outras hostes conservadoras, a polícia deflagrou uma operação que deteve dezenas de homossexuais na Zona Sul. Acontece que muitos deles tinham contato com pessoas de grande influência, gente da política e empresários. Um deles, por acaso também gaúcho e conhecido como Elvis Presley, conseguiu que nada menos do que um senador da República intercedesse pelo grupo. Assim, acabaram sendo soltos.

Ektor/Sophia trabalhou como vitrinista e decoradora depois de solto(a). E, algum tempo depois, conseguiu espaço para se apresentar em boates, como cantora. Um desses endereços era a Favela, em Copacabana. Chegou a ser marcado um teste seu pela gravadora RCA, que nunca se soube ter ou não acontecido. Também esteve atuando no Teatro Recreio e na casa Night and Day, na Cinelândia. E trabalhou com Grande Otelo e Consuelo Leandro. Com a fama que angariou, partiu para apresentações em Paris e Roma. E voltou para o Rio Grande do Sul para o casamento de sua irmã Maria Elaine Hoffmeister. No total eram cinco os filhos do casal Homero e Etelvina. Aliás, um dos irmãos foi nome de destaque no futebol, não tanto por ter defendido as cores do Esporte Clube Cruzeiro – então sediado em Porto Alegre, recentemente mudado para o município de Cachoeirinha –, mas porque mais tarde se tornou presidente da Federação Gaúcha de Futebol. 

Não muito depois disso, foram-se Ektor e Sophia. Isso porque estava na hora de surgir Irajá. Porque desde que conhecera a capital da Itália, conheceu também um novo amor: pela alta costura. Foi então aprimorando o pouco de desenho e pintura que trouxera da adolescência. Ao mesmo tempo, conseguiu trabalhar como manequim masculino para as marcas Brioni e Pierre Cardin. Com seis anos passados em função desse sonho, naquele país, superou desconfianças e conseguiu reconhecimento. Dois financistas ingleses então o levaram para Paris. Em 1970 veio apresentar suas coleções em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. Nas três cidades foi aplaudido.

Na Europa, seguia sendo badalado e tendo muita gente famosa como cliente. Consta, por exemplo, que Grace Kelly, a atriz que virou princesa de Mônaco, era figura constante. Assim como também Bessie Wallis, a Duquesa de Windsor. Aquela mesma norte-americana que levou Eduardo VIII a abdicar no Reino Unido, para se tornar seu terceiro marido. Com isso seu irmão assumiu o trono que, com sua morte, passou para a rainha Elizabeth, a quase eterna. O que nunca se conseguiu confirmar com absoluta certeza é se, em Palmeira das Missões, sua fama e o dinheiro conseguiram superar o ranço bastante preconceituoso, transformando o sentimento em algum orgulho. Mesmo que constrangido.

14.11.2022

Ektor von Hoffmeister, a Sophia Loren gaúcha

(*) Jandiro Adriano Koch é um escritor e historiador, natural de Estrela, no Rio Grande do Sul. Especialista em gênero e sexualidade, foi o vencedor do Prêmio Açorianos de Literatura 2021. O texto original no qual foi baseada a crônica de hoje pode ser encontrado no Grafia Drag, um blog cultural de ensaios e entrevistas.

O bônus musical de hoje é Preconceito, composição de Fernando Lobo e Antônio Maria, na voz de Cazuza.