O INCÔMODO DAS CÁRIES

A dor de dentes está longe de ser a pior que uma pessoa pode enfrentar. Eu já tive algumas vezes. Quase todo mundo já teve alguma vez. Mas também conheci a causada por cálculos renais, por exemplo. Em três ocasiões desesperadamente semelhantes. É coisa assim de você suar às bicas, ficar paralisado, ter certeza que alguém te apunhalou pelas costas. Nem quero lembrar. Até porque o assunto de hoje é esta outra dor, bem mais tolerável e comum, em geral proveniente das cáries.

A cárie é um dos problemas de saúde de maior incidência em toda a humanidade, segundo informa a Organização Mundial da Saúde (OMS). O registro mais antigo que se tem de sua presença data de 5.000 anos antes de Cristo, aproximadamente, e foi entre os Sumérios. Também entre eles foi pela primeira vez constatada a adoção de métodos de higiene oral. Em crânios humanos encontrados em tumbas no Egito elas foram igualmente constatadas, sendo que os estudiosos as associavam ao consumo de pães duros e vegetais fibrosos. Já a Rainha Isabel I, da Inglaterra, enfrentou o problema graças à obsessão por doces, estando em 1578 com seus dentes bastante escuros.

Durante a Idade Média ocorriam extrações de dentes sem anestesia e feitas em praça pública, por barbeiros. Esse “espetáculo” talvez ainda fosse decorrente da crença que existia antes, creditando a existência de cáries à ação de pequenos vermes ou, ainda pior, de demônios que cavavam orifícios em dentes e gengivas, para penetrar no corpo de suas vítimas. Quando ocorriam essas extrações, na maior parte das vezes coletivas, era usado um instrumento que chamavam de “pelicano dental”, nada mais do que uma espécie de fórceps.

As primeiras manifestações físicas que indicam o surgimento de uma cárie são a perda da translucidez do esmalte. O local fica então com cor esbranquiçada e textura rugosa, sem brilho. Isso decorre da ação da placa bacteriana sobre a superfície do dente. Nesta fase ainda existe a possibilidade de um tratamento tópico, com aplicação de produtos que estimulem a remineralização da área lesada. Se isso não for feito, vem a fase da cavitação, nome dado ao buraco que surge. O tipo de dieta alimentar da pessoa, a flora bacteriana, a qualidade química da sua saliva e o volume da salivação, a própria estrutura dental mais ou menos resistente e os hábitos de higiene, todos esses fatores influenciam.

A pasta de dentes mais antiga que se tem notícia tinha mirra, cinzas, casca de ovos e pedra-pome na sua composição. Bem depois, na Roma Antiga e na Grécia, faziam com ossos e conchas de ostras trituradas. Na Inglaterra, por volta do Século XVI, usavam porcelana e pó de tijolos. E foi por lá que surgiu em 1780 – já no Século XVIII, portanto – a primeira escova de dentes. Foi o empresário William Addis que a confeccionou, usando ossos de vacas para o corpo e pelos de javali para as cerdas. Mas, em produção industrial e ofertada no comércio, surgia apenas em 1930, nos Estados Unidos. Vejam que não se passaram ainda cem anos.

Agora, se quisermos saber de algo tão ou mais terrível que as piores dores de dentes, os dentes postiços que eram implantados nas pessoas, em pleno Século XIX, eram de cadáveres. Ou seja, os dentes dos mortos tinham valor de mercado. Foi por isso que após a conhecida Batalha de Waterloo, região logo ao sul de onde hoje está Bruxelas, na Bélgica, na qual se estima que 45 mil soldados tenham perdido a vida, houve retirada de milhares de dentaduras dos mortos. E outra informação que se pode considerar chocante: no Japão existia uma moda, da qual ainda se encontra adeptos, na qual mulheres procuravam odontólogos para que deformassem seus dentes. Esse hábito, por lá chamado de yaeba, consistia em destruir padrões estéticos, afinando e desalinhando os dentes das adeptas. Finalizo com um horrorzinho básico e bem brasileiro: tem pastores pentecostais oferecendo orações para combater dor de dente. Só não sei se o serviço está incluído no plano básico, do dízimo, ou se o valor é cobrado à parte. Ou seja, não há o que não haja.

30.07.2022

O bônus de hoje é vídeo com a música Pra Curar Essa Dor, com Fernanda Takai e Samuel Rosa. Na verdade se trata de dor de amor, mas ilustra o texto. Até porque é bem improvável que algum compositor tenha feito letra específica para dores de dente. Se eu descobrir, acrescento. Logo depois você pode ouvir o áudio de O Mal é o Sai da Boca do Homem, música de Pepeu Gomes, Galvão e Baby Consuelo.

O Mal é o Que Sai da Boca do Homem – Pepeu Gomes

DICA DE PRESENTE

RELÓGIO DE PULSO HAYLOU RS4 PLUS SMARTWATCH

O Dia dos Pais está chegando, mas esse é o tipo de presente que você pode dar também para si próprio(a). O relógio é para homens e mulheres, tem tela sensível ao toque com incrível profundidade de cor e clareza, permitindo que você personalize o fundo conforme seu gosto. É também monitor de frequência cardíaca e de sono. Pode ser usado como cronômetro, despertador, acusa chamadas recebidas em seu celular e oferece previsão do tempo. É feito sobre estrutura metálica muito resistente, sendo também à prova d’água.

Para adquirir o seu basta clicar sobre a imagem. Você será direcionado para o site. Se fizer a compra usando esse link, o blog será comissionado.

O EMPREGO DA RIQUEZA

Por um longo tempo eu tive curiosidade em saber mais sobre o tal Mamon, a quem não se poderia servir ao mesmo tempo que a Deus. Está lá, no Evangelho. Desde quando li pela primeira vez essa passagem, me parecia que se tratava de uma referência ao Diabo, porque é esse que trava uma batalha eterna com o Eterno. Tipo assim uma rivalidade Grenal, que teve início e parece que jamais terá fim, mesmo que o lado azul seja de fato muito mais forte – se nem sempre em campo, na certa em história e devoção. Mas a terceira idade parece que nos devolve a curiosidade infantil e lá fui eu procurar algo mais concreto a respeito do personagem. E só agora, quase que já entrando na fila para outra encarnação, descobri que se trata apenas de um termo usado em passagens bíblicas, em geral para descrever riqueza material e cobiça, mas nem sempre. E que era apresentado como uma espécie de divindade, a mais plena representação do terceiro pecado, que é a ganância, a avareza. Só que vai ainda além disso e pode mesmo, como eu suspeitava, ser a personificação do devorador de almas, o anticristo, um dos sete príncipes do Inferno.

Com essa descoberta, voltou a tal curiosidade rediviva, que citei antes. E fiquei pensando: por que diabos – sem a intenção de trocadilhos, mesmo esse já sendo o segundo aqui – o Inferno precisaria de sete príncipes distintos? Mas isso, deixa prá lá. Ou então não termino o texto de hoje no tempo que tenho e no tamanho que é necessário. Melhor e mais simples ver em Mamon a irrefreável vontade de acumular ouro. De possuir aqueles tesouros todos que nos facilitariam tanto viver bem e pagar as contas, dificultado talvez o acerto de contas. Não tem jeito: eis aqui um outro trocadilho acidental, ou incidental. Acontece que o poder econômico e as finanças favoráveis nos colocam mesmo acima de outros homens e mulheres, ficando mais fácil dar uma banana, não falando literalmente, para todo mundo. Dias atrás estava na imprensa: os dez maiores bilionários do mundo mais do que duplicaram suas fortunas durante esse período da pandemia, que nem acabou ainda. Pularam de 700 bilhões de dólares para 1,5 trilhão de dólares, lucrando com posições estratégicas de mercado que detinham, enquanto a população mundial empobrecia. E, em boa parte, morria.

Isso posto, me deixem fazer um pequeno cálculo. Mera aritmética. A Organização Mundial da Saúde (OMS) criou um consórcio e estimou em dez dólares o preço de cada dose da vacina contra a Covid. Assim, supondo que cada pessoa precisasse realmente de três aplicações – o que talvez não fosse necessário, se a vacinação tivesse sido universalizada cedo –, seriam 30 dólares por pessoa. Dados do portal WorldO’meter estima que a população mundial em 2021 estava na casa dos 7,8 bilhões. Então, o custo total para que TODOS os habitantes da Terra fossem vacinados ficaria em 234 bilhões de dólares. Desse modo, se aqueles dez bilionários decidissem pagar tudo do próprio bolso, isso custaria 33,42% do incremento extraordinário de recursos que tiveram neste período. Ou seja, não ficariam nem sequer um único centavo mais pobres do que antes. Ao contrário, apenas sofreriam uma desaceleração do seu incessante enriquecimento, não apenas por se desfazerem desse valor como também porque alguns parâmetros do crescimento perderiam a sua importância. Então talvez lhes sobrasse um pouco menos do que os 566 bilhões extras que o cálculo direto aponta.

Não sei se no final dos tempos Deus os tratará como ecônomos infiéis, que fizeram mau uso dos bens que confiou a cada um deles. Porque, como também está no texto evangélico, tudo isso poderia ser “um poderoso móvel de boas obras”, o que duvido que tenham sequer pensado em fazer. Evidente que a caridade sempre existiu, continuou existindo nesse período e seguirá ocupando corações e mentes de pessoas de bem. Não as que ganharam recentemente essa qualificação, que lhes foi atribuída por interesse político, mas as que conquistaram tal posição pelas ações e pelo exemplo. Do mesmo modo, não deixa de ser importante para quem recebe até mesmo aquela doação que não é nada além de migalhas do supérfluo de existências douradas. Essa pode inclusive ser vital, mas não tem valor nenhum para quem a oferece.

A caridade real é plena de amor; aquela que distribui sem que a mão que oferece seja vista; a que ergue quem caiu, sem humilhar. A caridade real vai além dos bens materiais, mas sem esquecer a sua importância. Ela é afeto, acolhimento, consideração e respeito. Caridade verdadeira não é esmola: é partilha. O socorro de abrigo, alimento, roupa e remédio é sempre urgente e não pode ser negligenciado jamais. Esse é para a necessidade aguda. Aquelas outras, que são crônicas, demandam conforto fraterno, real e duradouro. A riqueza verdadeira é sermos humanos. Nada além disso seria necessário para que nos alçássemos em direção ao divino. A riqueza verdadeira é empatia, dividir tempo e multiplicar conhecimento. É habilidade para usarmos nossa inteligência com a mesma parcimônia que devemos ter com o ouro. 

A verdadeira fé cristã – e não apenas ela, porque isso vale para todas as manifestações religiosas distintas – é oposta ao que esses próceres do capitalismo alardeiam. Mas duvido que lideranças políticas e também as religiosas, hoje em dia muitas delas também simples mercadores da fé, tenham parado um instante para fazer a conta que eu fiz acima. Pedir ajuda a Deus sem nada fazer além de orar é muito pouco, um equívoco e uma covardia. É algo indigno de quem tantas vezes enche a boca para dizer que é um filho Dele. É necessário que se cobre, pressione por mudanças, exercendo plenamente nosso livre arbítrio. A omissão e o silêncio estão muito mais para Mamon, tenho certeza.

29.01.2022

O bônus de hoje é Perfeição, com a banda Legião Urbana. A música está na quarta faixa do álbum Descobrimento do Brasil, lançado em 1993. Foi composta numa parceria entre Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá e sua letra permanece incrivelmente atual, sendo repleta de ironia. Aborda imperfeições e problemas, apesar do título conduzir na direção contrária. E, no seu final, tem um sentimento de esperança e de encorajamento para a luta.

Recomendo dois livros relacionados ao assunto abordado hoje, aqui no blog. Para adquirir um ou ambos, basta clicar sobre as capas acima e você será redirecionado. O blog age às claras e informa: poderá ser comissionado, se o acesso para compra for via esses links.

  1. O Evangelho Segundo o Espiritismo é uma obra espírita francesa, codificada por Alan Kardec e publicada originalmente em Paris, dia 15 de abril de 1864. É uma das basilares da doutrina, dando enfoque para questões éticas e comportamentais do ser humano, aclarando a mensagem de Cristo com a realidade da vida espiritual.
  2. Capitalismo, Socialismo e Democracia é um ensaio sobre economia de Joseph Schumpeter, a mais famosa, debatida e importante obra deste autor, sendo um dos grandes clássicos das ciências sociais no Século XX. O autor faz um exame crítico do marxismo e dedica-se a um longo elogio analítico do capitalismo, embora preveja razões para seu fim, além de investigar premissas do socialismo e as ligações desse sistema com a democracia.