O TEMPO NEM SEMPRE FAZ BEM

Envelhecer não é fácil, podem acreditar. Eu que o diga. Se não todos os dias, asseguro que vez por outra essa percepção me atinge e afeta. Em geral são implacáveis coisas como os espelhos e as lembranças, essas quando estão recheadas de saudade. Você se dá conta do que não está mais conseguindo fazer, de que nem todo mundo que você ama continua do seu lado, de que seus anos futuros com certeza serão muito menores em número do que aqueles que já passaram. E isso tudo dói. Com a dor maior sendo produto da nossa absoluta impotência diante da passagem do tempo.

Agora, existem pessoas que conseguem envelhecer muito melhor do que outras. Há algumas até que, quando atingem idades mais avançadas, se tornam versões melhores de si mesmas. Entretanto, como tudo na vida, também temos aquelas que quando envelhecem você tem a impressão que são outras, no sentido de que desdizem tudo aquilo que sempre disseram, negam tudo aquilo em que sempre acreditaram. São esses dois tipos os lados opostos de uma moeda, completamente antagônicos. E temos a terceira via – algo que nas eleições não tivemos –, que são aquelas do meio termo, sendo o que sempre foram. Isso, dependendo do ponto de vista do qual se observa, pode ser ótimo ou péssimo. Acho que estou nesse último grupo, mesmo mantendo uma leve esperança de ainda ter como integrar o primeiro.

Há quem diga que envelhecer é uma arte. Nunca soube tocar nenhum instrumento; não pinto nem parede, muito menos quadros – se bem que nunca tentei –; só interpreto bem o papel de Solon, uma vez que faço isso há décadas; dançando sou um desastre absoluto; e tenho tentado escrever, até agora sem sucesso que garanta subsistência. Deste modo, música, pintura, teatro e dança estou fora; literatura, talvez ainda ocorra um milagre. Mas esse tal de envelhecimento, não há escola de arte que nos ensine. Tenho me apegado apenas à ideia de que a criatividade independe da idade cronológica; que, contrariando todas as evidências anteriores, o cérebro, uma vez mantido ativo, pode seguir caminho oposto ao restante do corpo, não decaindo como se vai o restante da nossa estrutura física.

José Saramago despontou como escritor apenas aos 60 anos, quando lançou Memorial do Convento, em 1982. Passados 16 anos, em 1998, ganhou o Nobel de Literatura. Charles Darwin foi um tanto mais precoce, uma vez que seu A Origem das Espécies veio em 1859, aos 50 anos. Clarice Lispector escrevia desde quando tinha 23, mas sua obra mais famosa chegou aos 56: A Hora da Estrela, publicada em 1977. Victor Hugo foi outro, que publicava desde os 29 anos, mas Os Miseráveis, a sua obra prima, foi levada ao público quando ele tinha 60. J.R.R. Tolkien modernizou a literatura de fantasia ao lançar a trilogia O Senhor dos Anéis, entre 1954 e 1955, quando tinha 62 anos.

Leonardo Da Vinci concluiu a Mona Lisa com 54 anos e Michelangelo terminou O Juízo Final aos 66. A obra Ponte Sobre Uma Lagoa de Lírios de Água foi feita por Monet, com 59 anos de idade, enquanto Pablo Picasso nos premiou com Guernica, aos 56. Cito aqui apenas quatro grandes mestres e suas obras-primas. Existem centenas de outros exemplos. Aos 80 anos Jessica Tandy ganhou o Oscar de Melhor Atriz por seu papel em Driving Miss Daisy, enquanto entre os homens Christopher Plummer tinha 82 quando foi agraciado com a premiação do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, por Beginners. No Brasil, Fernanda Montenegro parece representar com ainda maior perfeição, conforme o tempo passa.

Cássia Kiss, em 1989, foi a primeira mulher a aparecer com seios à mostra na história da televisão brasileira, ao estrelar uma campanha surpreendente e de absoluto sucesso, sobre a prevenção ao câncer de mama. Ela ensinava a fazer o autoexame, mostrando ao vivo como deveria ser feito. Em 1997 admitiu, juntamente com outras famosas e algumas anônimas, em capa da revista Veja, que já havia feito aborto. Ao longo da vida foi hippie, fumou maconha e construiu uma carreira sólida como uma das melhores atrizes brasileiras. Seria normal o abandono desses dois primeiros hábitos, mas ela foi muito além disso. Durante anos se disse espírita – o que não a absolveria de nada – e agora, mais recentemente, aderiu a um catolicismo radical, virando ainda uma defensora ferrenha da extrema-direita. A ponto de fazer discursos homofóbicos e ir se ajoelhar no meio da rua, para rezar ao lado de manifestantes anti-democráticos, pedindo a volta da ditadura, entre outras barbaridades.

Há pessoas que de fato envelhecem como um bom vinho, melhorando. Outras têm como destino virar vinagre. Aliás, esse produto, quando feito a partir do vinho, resulta de se acrescentar um agente microbiano que faz com que sofra um processo de oxidação. Agora me caiu a ficha: talvez a introdução de determinadas ideias faça com que cérebros despreparados também se oxidem. Arte e convívio com pessoas inteligentes podem ser os antídotos necessários.

06.11.2022

O bônus musical duplo de hoje tem primeiro Envelhecer, com Arnaldo Antunes; depois trazendo Paciência, de Lenine.

A SENSUALIDADE DO TANGO

O tango é um estilo musical e uma dança, estando ela entre as mais sensuais que existem. O que até soa estranho, à primeira vista, uma vez que é um ritmo duro e claramente masculino, sem os esperados meneios femininos. Mas tem porte e garbo como é difícil ser imaginado em outra dança qualquer. Conquista pelo movimento, pelo olhar fixo dos casais bons dançarinos em suas coreografias complexas. A música é forte e muitas vezes triste, trazendo uma mescla de drama, paixão e agressividade. E o movimento físico harmônico e compassado que proporciona, esse é pura sedução.

A origem do tango está nos subúrbios de Buenos Aires e Montevidéu, sendo no início tocada e dançada em prostíbulos. O ritmo descende da habanera de Cuba, sendo os primeiros instrumentos usados o violão, o violino e a flauta. O bandoneón que hoje o caracteriza foi introduzido depois, uma vez que chegou à região do Rio da Prata apenas por volta de 1900, trazido por imigrantes alemães. E a aristocracia platina só o aceitou em seus salões uns dez anos depois disso, apenas porque fora “exportado” e fez sucesso em Paris, de onde retornou com outro status. Na Europa conquistara tanto as tabernas e os bailes populares, quanto seus teatros e até mesmo óperas.

A palavra tango, por sua vez, veio de idiomas africanos. Antes de ganhar esse novo significado, designava um pequeno tambor, existindo dúvidas sobre a razão desta escolha. Talvez tenha sido porque esse instrumento também cruzou o Atlântico e veio para o Caribe. Com forma musical binária e compasso de dois por quatro, o tango permite muita criatividade e valoriza as habilidades pessoais dos aficionados. Eles são muitos e estão espalhados pelo mundo, existindo inclusive concursos nos quais se escolhe os melhores praticantes.

O tango é sempre dramático, frequentemente triste, cinematográfico e adora ser sanguíneo. O poeta, compositor, dramaturgo e ator argentino Enrique Santos Discépolo Deluchi, um profícuo autor de letras de tango, costumava dizer que ele “é um pensamento melancólico que se pode dançar”. De qualquer modo, sua importância é gigantesca a ponto da Unesco o ter incluído na lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, em 2009.

Essa verdadeira arte foi muitas vezes usada por outra, o cinema, tanto como trilha musical como também incorporada na própria história que o filme conta. Um exemplo maravilhoso está em cena do filme Perfume de Mulher (1992), na qual Frank (Al Pacino), um personagem cego, convida Donna (Gabrielle Anwar) para dançar. Ele pede antes orientação sobre o tamanho da pista, sendo conduzido ao centro dela. A partir de então a conduz com maestria, dançando Por Una Cabeza, de Carlos Gardel. De fato, o resultado é inesquecível. O Último Tango em Paris (1972), de Bernardo Bertolucci, tido como uma obra-prima, rendeu indicação ao Oscar para o ator Marlon Brando e ao Globo de Ouro para seu diretor. Não é algo que na verdade possa ser hoje aplaudido, considerando que a atriz Maria Schneider sofreu violência sexual durante as filmagens.

Mais apropriado é citar outra película com nome quase idêntico – basta tirar a indicação da capital francesa como local: O Último Tango (2016), no seu título em português. Em espanhol essa coprodução argentina e alemã teve o nome original de Un Tango Más. Seu diretor é German Kral e se trata da história de amor e dramas dos dançarinos María Nieves Rego e Juan Carlos Copes, que brilharam juntos nos palcos por mais de 50 anos. Para completar esse passeio pela “Sétima Arte”, ficam ainda duas dicas: Dança Comigo? (2004), um mix que reúne romance, drama e comédia, com Susan Sarandon, Jennifer Lopez e Richard Gere; e Vem Dançar (2006), no qual Antonio Banderas rouba a cena vivendo papel inspirado no professor Pierre Dulaine, que desejava auxiliar jovens da periferia na superação de preconceitos e conquista de sonhos.

Visitar casas de espetáculo, de preferência nas capitais da Argentina e do Uruguai, pode ser uma experiência inesquecível. E se o texto está animando leitores para que se dediquem pessoalmente à dança, existem em Porto Alegre academias que ensinam.

21.10.2022

Como bônus, temos hoje primeiro três casais dançando tango, nos bastidores do Invierno Tango Festival, que ocorre periodicamente em Paris, na edição de 2018. São eles Daiana Guspero e Miguel Zotto, Mariana Montes e Sebastian Arce, e Magdalena Gutierrez e German Ballejo. A seguir o trailer do filme O Último Tango. E, para concluir, cena do filme Vem Dançar, com o personagem de Antonio Banderas trazendo uma convidada para impressionar seus alunos com um tango muito bem dançado.

Esse blog recomenda muito que seus leitores conheçam o site da Rede Estação Democracia. Acesso através do link abaixo.

https://red.org.br/