EQUILÍBRIOS, NO PLURAL

Etimologicamente a palavra equilíbrio, em português, foi adotada a partir do idioma francês équllibre. Na França, por sua vez, a herdaram do latim aequilibrium. Seu uso principal foi apropriado pela física, ciência que identifica essa como a condição de um sistema no qual todas as forças que sobre ele atuam se compensam e se anulam totalmente. Isso representa um corpo sem oscilações ou desvios de qualquer natureza. Mas daquela ciência verteu para significados mais abstratos, abraçados em especial pela psicologia, além de outras das ciências ditas humanas e sociais. Nessas, equilíbrio virou sinônimo de sanidade e paridade não apenas de forças, como também de intenções e propósitos. Não esquecendo que a paridade pode ser semelhança e nem sempre significa igualdade.

Do ponto de vista pessoal é tida como equilibrada aquela pessoa não tendente a escolher entre lados que estejam em limites opostos, em extremos, mas sem que isso implique numa postura eterna, imutável. Até porque só quem é equilibrado e saudável pode rever seus pontos de vista e consequentes posicionamentos. Pode-se também acreditar que o equilibrado é aquele que não “explode”, mas isso não significa necessariamente algo bom para a pessoa, uma vez que são muitas as ocasiões na vida nas quais extravasar é o mais saudável e libertador.

Se vamos examinar a questão de pontos de vista comunitários e sociais, abordando política por exemplo, há que existir o cuidado de que esta expressão não aponte para acomodação, despreocupação e falta de compromisso. Nesse caso específico, ser “neutro” é no fundo ter um lado que em geral se revela perigoso, porque o “não envolvimento” é irmão gêmeo da omissão. No campo político há inúmeras situações onde a postura correta é justamente a de escolher uma das pontas, evitando o conforto da estabilidade. Porque quando nos sentimos estáveis a ponto de abandonar causas das quais outros dependem, não defendendo ações coletivas, estamos apenas protelando o momento em que nós também estaremos vulneráveis. O que nos tornará vítimas tardias da nossa própria falta de coragem. Um exemplo concreto seria tratar com tolerância os que são intolerantes e, em função disso, permitir um risco que tende a destruir o equilíbrio. Fechar os olhos para o avanço de uma visão do mundo que segrega, desumaniza e agride, achando que isso pode ser bom ou que, no mínimo, não atinge a você e seus interesses, é assumir a cegueira da ignorância.

Outro exemplo concreto, agora para temas sociais: dar chances iguais não é ser equânime, o que transforma a meritocracia numa falácia. Uma sociedade justa e equilibrada dá a cada um dos seus membros conforme suas necessidades e cobra de cada um deles conforme suas reais capacidades. Ou seja, justiça – não por acaso o seu símbolo é uma balança – é quando se avalia considerando as diferenças e não fazendo de conta que elas não existem. É tratar os diferentes de forma compensatória. Como fazer uso de cotas, para citar uma das tantas ações afirmativas que são possíveis e necessárias. Claro que isso fere os interesses de uma sociedade constituída e movida apenas pela produção e pelo consumo, mas não considerar essa variável é desumanizar as relações. Que é exatamente o que se vive hoje em dia. Um mundo onde parece bom ser mau e alheio aos sentimentos e às dores dos outros. Um mundo onde o desequilíbrio é que assume a centralidade, onde alargar distâncias e macular a dignidade das pessoas está sendo naturalizado.

14.11.2021

Equilibradas são as pessoas e as sociedades que buscam equidade e justiça

No bônus musical de hoje, Maria Rita canta O Bêbado e a Equilibrista, magnífica composição de João Bosco e Aldir Blanc.

DONA OPORTUNIDADE

Há pessoas que passam pela vida sem ter tido um único encontro sequer com Dona Oportunidade. Têm enorme potencial para realizar e realizar-se, mas isso não acontece. Existem outras para as quais as chances caem no colo, mais facilmente do que molho de cachorro quente quando mordido de modo displicente. E há também aquelas que cavam, investem para que sejam vistas e lembradas. E me refiro a investimento na aparência – e não apenas física –, como também na “aparecência”. Umas até usam esse recurso, seu lado marqueteiro, como uma ferramenta de trabalho, com parcimônia e sem abandonar a ética. Mas existem as que apenas se tornam hábeis em estar sempre no lugar certo na hora certa. E, melhor ainda, perto das pessoas que lhes são convenientes. Para essas, a ética é apenas um estudo antigo e que caiu em desuso.

Desse grupo específico de pessoas, admito que tenho até um pouco de inveja. Mas pelos resultados, certamente não da sua postura e conduta. Essas duas eu confesso que me incomodam. O marketing pessoal é como perfume: se usado além da dose recomendada incomoda. Ao menos para quem possui nariz sensível. Acho que todos que estão me lendo, sem muito esforço, poderão lembrar de terem conhecido alguém assim. Eu mesmo cruzei com algumas pessoas notáveis nessa “arte”, ao longo da vida profissional. Não apenas nela, mas principalmente. Uma destas pessoas era inacreditável: estávamos em uma grande organização e ela sobrevoava pelos setores como se fosse um urubu, mas ao contrário: fugia de quem adivinhava estar sob qualquer risco, ameaçado de “morte”. Agora, quando virava a melhor amiga de alguém, se poderia contar que esse alguém estava prestes a ser promovido. Bem informada, transbordava em elogios falsos como nota de três Reais, mas distribuídos com cuidado e pontaria rigorosa. Qualquer sucesso, ela comparecia tentando compartilhar; quaisquer erros ou fracassos, estava tão longe que era capaz de sumir do prédio. O Diabo disparando da cruz.

Com o foco apenas no aspecto profissional, porque oportunidades valem também para o campo pessoal e afetivo, por exemplo, vamos examinar alguns conceitos, antes de prosseguir. Falo de talento, sorte, sucesso e prestígio, que são todos imprecisos, pois muitas variáveis interferem no seu alcance. Além disso, aquilo que para algumas pessoas pode ser enquadrado nisso, para outras não faz sentido. Para uns, pequenas conquistas podem ser grandiosas, enquanto feitos que parecem ter esse status muitas vezes não significam grande coisa. Isso depende de respostas sobre quem, quando, como e porquê. Algo assim como os bons textos jornalísticos, que precisam esclarecer esses questionamentos.

Talento pode ser definido como uma aptidão especial, uma habilidade inata para a realização de tarefas. Mas está longe de ser um dom, sendo na maioria das vezes também algo que pode e deve ser aprimorado com o treino, a repetição e a experiência. Pode-se dizer que possuir talento é alcançar resultados mais próximos da excelência, sabendo usar técnicas com eficiência. Sorte é quando o imponderável joga a nosso favor. Ela é irmã gêmea do acaso, quando se dá algo positivo. Quando a resultante do acaso é ruim, se diz que se trata de azar. Em geral, a sorte ocorre de forma repentina e inesperada, o que a torna ainda mais indefinível. Mas, um psicólogo britânico de nome Richard Wiseman, que estudou esse fenômeno, jura que podemos sim interferir no fator sorte. Ainda não li o seu trabalho, mas estou torcendo para que ele tenha razão. Quem sabe eu finalmente não aprendo?

Nos dicionários, sucesso é apresentado como ter êxito em algo, obter resultado feliz. Mas também significa chegar ao final de uma empreitada. Ou seja, percorrer o caminho completo também é significativo. Quando dezenas de equipes disputam uma competição esportiva, todas sabem que apenas uma delas será a campeã. Mas tem sucesso quem realiza um campeonato equilibrado, dentro das suas condições. E o prestígio, que é tão ou mais desejado, se define como sendo capacidade de exercer influência, adquirir notoriedade e valor. É ligado à estima, reputação e respeito, em geral não sendo resultado de talento ou sorte, mas de algum tipo de merecimento conquistado.

Dito isso, repito que ter oportunidades é fator preponderante na vida. Até porque elas são as criadoras de ocasiões para o comparecimento de tudo aquilo que referi antes. Mostrar o talento adquirido, aproveitar a sorte que sorri, alcançar sucesso e mesmo ter prestígio, em geral são consequências de oportunidades recebidas e bem aproveitadas. Isso porque sem elas não há talento que resista, não há sorte que resolva, se torna quase impossível alcançar sucesso. E Prestígio, só assim, com maiúscula, por ser nome próprio daquele bombom da Nestlé. Entretanto, na nossa sociedade desigual e pouco humana, as oportunidades parecem vir ao mundo trazendo o nome e o endereço de alguém. Uma espécie de tele entrega, que além de tudo é paga antecipadamente no cartão de crédito cadastrado. Quem recebe é bem provável que esteja no grupo que menos necessita. E, do conforto da sua casa, talvez fique repetindo o velho discurso da meritocracia, se for no Brasil; afirmando ser um dos tantos self-made-man (ou woman), se for nos EUA.

De minha parte, quero dizer que recebi ao longo da vida algumas boas visitas de Dona Oportunidade. Mesmo não tendo sido em todas essas vezes um bom anfitrião. O que só me dei conta, infelizmente, depois dela ter ido embora. Mas, como todo esperançoso brasileiro, sigo aguardando que ela tenha de mim a mesma saudade que tenho dela. E volte a aparecer. As portas estarão sempre abertas.

15.10.2021

Oportunidades abrem portas

Um bônus especial hoje: Tente Outra Vez, música de Raul Seixas, Paulo Coelho e Marcelo Motta. O clip é antigo, com o próprio Raul cantando.