OS PRIMEIROS ROUNDS

Tudo bem: são 12 os candidatos à presidência que disputarão os nossos votos nas eleições de outubro. Mas tanto você, quanto eu e a torcida inteira do Flamengo – não sou nada fã desse clube, mas agora a expressão é bem conveniente – sabemos que apenas dois têm chances reais de vencer. No máximo outros dois nomes lutam pelo bronze, com ambos em grande esforço para chegar a um número de votos que atinja dois dígitos na votação em primeiro turno. Então, os movimentos dos primeiros colocados, que estão nessas posições desde que começaram a ser feitas pesquisas eleitorais, podem e devem ser olhados mais de perto. E três fatos recentes se destacam, nessa abertura de campanha oficial: as entrevistas que concederam ao Jornal Nacional, na semana passada; o início do horário de propaganda eleitoral gratuita; e o primeiro dos debates, ocorrido no último domingo, na Bandeirantes.

1 – Sobre as entrevistas na Rede Globo, quatro falaram: Bolsonaro, Ciro, Lula e Tebet, nessa ordem. A oportunidade foi ímpar, uma vez que o JN segue sendo o principal telejornal do país e nenhum dos candidatos terá outra chance de falar para um público tão amplo, ao longo de toda a campanha. Em termos de audiência – análise quantitativa –, o atual presidente marcou 32,3 pontos, seguido do petista, que ficou com 31,9. O candidato do PDT alcançou 29,2 e a emedebista registrou 21,2. Se for examinada a repercussão junto ao eleitorado – análise qualitativa –, as medições realizadas mostraram que Lula teve muito maior sucesso no sentido de provocar buscas no grupo de pessoas não alinhadas com a sua base. Ou seja, conseguiu disparadamente falar mais para fora da sua bolha, enquanto que Bolsonaro só navegou com desenvoltura entre os seus. Assim, a chance de o petista ter angariado mais votos foi muito maior.

Merece destaque ainda um trabalho importante, realizado para a aferição da qualidade do que foi dito: o realizado pela agência de notícias Aos Fatos. Ela se debruçou sobre detalhes das falas trazidas ao Jornal Nacional, com checagem de dados estatísticos e verificação dos mais diversos arquivos, apontando a possível existência de informações enganosas, não totalmente certas e destacando também as verdadeiras. No caso de Bolsonaro, ao longo dos 40 minutos da sabatina ele mentiu 20 vezes, em outras três não estava sendo totalmente verdadeiro e em duas oportunidades foi correto nas suas afirmações. Lula teve seis inverdades, em duas vezes as coisas “não eram bem assim” e somou 13 colocações absolutamente corretas. As 20 mentiras de Jair Bolsonaro se concentraram em temas como a pandemia de Covid-19 (sete delas), na corrupção existente no seu governo (quatro) e na rixa com os ministros do Supremo Tribunal Federal (três). Das seis inverdades de Lula, destaque para duas delas que estavam relacionadas a realizações dos seus governos anteriores.

2 – O horário da propaganda eleitoral gratuita na televisão começou sem nenhuma novidade digna de nota. Insosso como 0x0 no futebol, em jogo mal disputado, sem qualquer oportunidade de gol. Ninguém surpreendeu, ninguém decepcionou. Exceto, claro, quando os vídeos são vistos com olhos literalmente militantes. Mas daí é como mãe coruja, que acha seu filhote o mais lindo do mundo. A razão disso é que nesse recurso em geral se guarda munição para os últimos dias. Ou, no mínimo, os temas são colocados aos poucos, seguindo uma lógica de convencimento. Até porque não há como em poucos segundos – ou alguns minutos, para os mais aquinhoados – expor uma visão mais ampla e defender quaisquer propostas. Outro fator é que o tempo é pulverizado entre candidaturas também para governadores, senadores, deputados federais e estaduais.

3 – Quanto ao primeiro debate televisivo, esse se prestou a análises que se mostraram distintas e até mesmo contraditórias. O que mais foi motivo de concordância foram as opiniões de que Simone Tebet foi quem melhor se saiu; que Jair Bolsonaro estava contido como se houvesse sido medicado e mesmo assim pisou na bola ao agredir verbalmente a jornalista Vera Magalhães, quando essa lhe dirigiu uma pergunta; que Ciro foi mais do mesmo; e que Lula brilhou menos do que na entrevista da semana anterior. As divergências se concentraram na determinação das razões porque essas situações aconteceram.

Simone Tebet saiu radiante porque entende que cresceu muito. Se isso se confirma ela passa a ter dois trunfos: assume como liderança em ascensão, num partido que há muito se mostrava decadente, podendo almejar sucesso em situações futuras; e também se cacifa para negociar apoio em eventual segundo turno, que passa a ser mais provável justo se ela confirmar a impressão de crescimento. Os assessores de Bolsonaro, por sua vez, saíram da Band com uma nova dor de cabeça. Porque seu candidato continuou sendo um samba de uma nota só, mas desafinado. Conseguiu se repetir para o cercadinho, onde nem seria necessário. E ampliou o problema com as mulheres, justo aquela fatia do eleitorado onde ele tem maior rejeição.

Ciro foi outro que tomou algum calmante, pois estava menos raivoso do que o habitual. O que talvez o tenha deixado com reação mais lenta, em alguns momentos. O pior foi logo no começo, quando ele perguntou a Bolsonaro sobre a volta da fome, recebeu como resposta uma tangente ridícula, com o presidente falando da inflação, e não aproveitou a réplica para repetir a pergunta e mostrar que o adversário estava fugindo. Algo básico num debate. E com Lula, o que houve? As primeiras explicações apontavam uma certa apatia, um cansaço, com a maioria dos críticos correndo nessa direção. O que talvez fosse do seu interesse. O que precisa ser pensado, também, é que ele está liderando e poderia se dar ao luxo de usar esse primeiro embate para analisar o tabuleiro. Acho que fez isso e mostrou mais uma vez o quanto joga bem esse jogo.

Mesmo na ponta das pesquisas, conseguiu não ser vidraça. Pavimentou a estrada para que Tebet brilhasse e assistiu de camarote ela e Ciro irem contra Bolsonaro. Ainda mais: fez sutis movimentos para atrair esses dois para um eventual segundo turno, com alguns “quase convites” sendo antecipados. Disse que Ciro e ele ainda irão conversar; destacou a atuação de Tebet na CPI da Covid, um dos tantos calcanhares do presidente; e voltou a deixar seu principal adversário muito nervoso com a promessa de que por decreto irá acabar com a chuva de sigilos de cem anos que andaram sendo determinados sem razões plausíveis.

Além desses quatro, também o candidato à presidência pelo Novo, Luiz Felipe d’Ávila, bem como a postulante Soraya Thronicke (União Brasil), foram convidados. Supostamente isso foi feito porque os organizadores temiam que Bolsonaro e Lula pudessem faltar, e com apenas dois não seria um debate digno de ser assim chamado. Terminou ficando gente demais e reduzindo possibilidades de embates, de comparações entre propostas diferentes.

Para concluir, ressalte-se que é plenamente viável que se goste de um candidato e ache que ele não foi bem em alguma entrevista ou debate. Do mesmo modo, também pode acontecer de não se gostar de um candidato e entender que ele se saiu bem ao ser sabatinado ou debater com os demais. Também conta pontos quando entrevistado ou debatedor demonstra ter domínio da situação. Isso se percebe quando a fala é feita com os olhos na câmera – afinal sua fala é para o público, para o eleitor –; quando não precisa ler e opta pela argumentação baseada em pensamento e não previamente posta no papel, ou algo escrito na mão; e quando tem repertório variado e controle emocional. Agora é esperar pelos rounds seguintes. A luta final, essa poderá ser decidida por nocaute (no primeiro) ou por pontos (no segundo). Isso saberemos em outubro.

31.08.2022

O bônus de hoje é uma paródia de Edu Kruger, Mundo Pelo Avesso. Nela o compositor relata sua experiência ao participar de um dos grupos de WhatsApp compostos por fanáticos bolsonaristas.

NÃO É LOUCURA: É MÉTODO

Várias vezes eu já afirmei que o presidente Jair Bolsonaro é um louco. Peço desculpas aos que têm transtornos psíquicos e admito que não fui muito inteligente, ao adotar essa saída fácil. No caso específico do mandatário isso de fato está longe de ser loucura: é método. É tudo pensado, se não por ele, que jamais transpareceu ser pessoa com luzes suficientes, por alguém próximo que planeja aquilo que ele depois executa.

Desde a sua posse creio que não houve um único dia sequer no qual alguma atitude, frase, ação ou omissão dele e dos seus não nos fosse apresentada, para pautar as discussões. E todos nós caímos como se fôssemos patinhos. Não aquele da FIESP, inchado como o ego da imensa maioria dos empresários que comandam aquela entidade. Mas com certeza grande como a nossa soberba, a nossa certeza de que bastaria ser racional, ter princípios e operar com a verdade. Que esses recursos seriam suficientes para que se abrisse os olhos dos incautos que votaram no fascista sem serem eles próprios fascistas.

Então, Jesus subiu numa goiabeira; as universidades se tornaram antros de drogas e sexo; cessou o desmatamento da Amazônia; não houve mais nenhum caso de corrupção no país; era mentira que estávamos enfrentando uma pandemia; as vacinas implantavam microchips nas pessoas; os venezuelanos já haviam devorado todos os seus cães e gatos, estando agora a consumir ratos; foi comprovada a existência do kit-gay citado durante a campanha eleitoral; o PIX foi ideia do mito; a guerra da Ucrânia só não começou antes porque ele conseguiu adiar; Cloroquina e outros remédios inócuos para tratamento da Covid-19 se tornaram solução milagrosa; as urnas eletrônicas foram fraudadas, inclusive na eleição dele; e ideologia de gênero era o ensino prioritário em escolas públicas. Cito aqui coisas lembradas agora, sem qualquer critério cronológico ou de ordenação hierárquica, quanto ao impacto, por exemplo. E apenas uma amostragem entre tantos absurdos.

Todas essas afirmações acima são falsas, sem exceção. A equipe do Aos Fatos, agregando todas as declarações feitas ou repercutidas pelo presidente a partir do dia de sua posse e atualizadas até 07 de junho de 2022, comprovou que 5.513 delas eram inverídicas ou foram propositalmente distorcidas. Isso em 1.253 dias. Ou seja, dá média de 4,39 feitas a cada 24 horas. Desempenho de um Super Pinóquio. Logo, minha colocação acima, de ao menos uma mentira por dia, é modesta demais. E essa avalanche numérica é a comprovação máxima de que isso não se trata do somatório de lances isolados. Portanto, não se trata de loucura. Jamais se tratou de loucura. Há método e planejamento, articulação para chegar a fins coerentes com sua ideologia.

O objetivo é destruir o que foi a duras penas construído. É por fim ao projeto nacional começado por Vargas e depois ampliado por Juscelino. É fazer com que se volte a ser apenas um território que forneça as suas riquezas, como petróleo, nióbio e minério de ferro, de preferência a preço de banana, além de assegurar boa produção agropecuária para exportação. Nosso meio ambiente não importa. Nosso povo não importa. Interessa é a manutenção de uma elite afinada com esse objetivo, mantendo e ampliando a desigualdade social. E, para assegurar que tais propósitos sejam alcançados, a educação tem que ser destruída; o ódio, o fanatismo e o medo precisam ser semeados; uma falsa religiosidade deve ser estimulada. O que explica as atitudes dele. Ou seja: o homem não é louco. Ele é apenas mau, um instrumento nada inocente e muito útil. 

12.06.2022

O bônus de hoje é o videoclipe da música ConvocAção, de Max Gonzaga. Ele foi produzido com a cooperação de mais de 160 pessoas, que doaram seu tempo e seu talento para gravar esse manifesto antifascista. A proposta é chamar todas as pessoas que querem uma vida digna e sem ódio, sem violência e sem barbárie, para que se levantem e se engajem, antes que seja tarde demais.