A chamada “Gripe Espanhola”, que assolou o mundo entre o começo de 1918 e o final de 1920, matando cerca de 50 milhões de pessoas, não iniciou na Espanha. Recebeu esse nome porque a imprensa daquele país deu muito maior cobertura ao fato, enquanto em outros o assunto principal era o pós-guerra, uma vez que a Primeira Guerra Mundial havia recém acabado e o esforço para “reconstruir” o Ocidente era grande. Mas também foram interesses políticos e econômicos que levaram para aquele país da Europa a imerecida culpa de algo que começara nos EUA. Afinal, o ônus de ser responsabilizado por tamanho número de perdas humanas é imenso.

O conceituado historiador norte-americano Alfred W. Crosby, da Universidade de Harvard, contou a verdadeira história em livro publicado em 2003, relatando pesquisas que comprovam a presença do vírus no Kansas, em 1917. Seu colega Santiago Malta também aponta para a existência da doença em pelo menos 14 campos militares dos Estados Unidos, antes do final do conflito armado. Depois, mortes se sucederam nas tropas britânicas e alemãs. A Espanha, na realidade, foi atingida após isso tudo. Atualmente se acredita que se tratava de uma versão do agora conhecido H1N1, que já existia e vinha sofrendo mutações desde 1915. Com a pandemia da Covid19, também não faltaram oportunistas tentando, felizmente sem sucesso, chamar o contaminante de “Vírus Chinês”. O Brasil mesmo ficou à beira de um incidente diplomático sério, que traria repercussões para a economia do RS, por exemplo.

Sem ser relevante onde tenha surgido o coronavírus, a verdade é que ele tem alterado a rotina da imensa maioria das pessoas em todo o mundo. O distanciamento social reduzindo o convívio, bem como a ausência de alternativas de lazer e esportes para os que têm a sorte de poder ficar isolados, são dois dos fatores que ampliam sobremaneira a ansiedade. A falta do acesso à arte se mostra outra abstinência antes não enfrentada e que revela agora o quanto esse contato faz bem à alma humana. Não é por acaso que um grande número de lives musicais começaram a pipocar nas telas nos nossos computadores, celulares e televisores. Mesmo que essa experiência fique distante da que se vive em shows e espetáculos ao vivo, se mostrou relevante.

Nesse modismo necessário pela circunstância, uma garotinha de apenas seis anos, multi-instrumentista, explodiu como grande sucesso na internet. E essa sim veio da China. A pequena e meiga Zhou Zhaoyan mora na província de Jiangsu, que fica no lado leste daquele país asiático. Desde muito pequena ela cantava e seu pai, que é professor de violão, começou a ensiná-la aos três anos. Com quatro, já dominava piano e bateria, revelando enorme talento e precocidade. Com a pandemia, as aulas domésticas se intensificaram.

Hoje ela prefere, como seu pai, instrumentos de corda. E também gosta de ser chamada de Miu-Miu, vez por outra acrescentando Guitar Girl a esse nome. Sua família criou para ela um canal no Youtube e em poucos dias já tinha mais de 175 mil inscritos. Os vídeos produzidos fazem sucesso em todos os cantos do mundo e um deles em especial atingiu rapidamente mais de 5,2 milhões de visualizações: Fly Me To The Moon, este com o músico Bruno Zuchetti e outros três italianos. Na maioria deles, entretanto ela toca e canta sozinha.

Com seu jeitinho delicado e infantil, a pequena revela que gosta de ver o filme Frozen, que adora comer biscoitos gelados e que pretende ser médica no futuro. Esse um sonho fácil de ser alcançado, considerando a persistência já revelada no aprendizado de violão (acústico, clássico e elétrico), ukulele, baixo, bateria e piano, em mais de duas mil horas de prática. E não se esqueçam de que ela é chinesa, país que teve a coragem de bloquear províncias inteiras e cidades com milhões de habitantes, para deter algo que aqui está sendo tão difícil enfrentar.

07.08.2020

 No bônus, Miu-Miu interpreta Hotel Califórnia, do Eagles. O vídeo, que é muito bem editado, chegou a 2,5 milhões de visualizações em três meses.

8 Comentários

  1. Um belo texto e um bônus espetacular, me emocionei com a Miu Miu. Obrigado amigo, não conhecia esta menina. Sensacional. Grande abraço!

    Curtir

Deixe uma resposta para Solon Saldanha Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s