O TEMPO NEM SEMPRE FAZ BEM

Envelhecer não é fácil, podem acreditar. Eu que o diga. Se não todos os dias, asseguro que vez por outra essa percepção me atinge e afeta. Em geral são implacáveis coisas como os espelhos e as lembranças, essas quando estão recheadas de saudade. Você se dá conta do que não está mais conseguindo fazer, de que nem todo mundo que você ama continua do seu lado, de que seus anos futuros com certeza serão muito menores em número do que aqueles que já passaram. E isso tudo dói. Com a dor maior sendo produto da nossa absoluta impotência diante da passagem do tempo.

Agora, existem pessoas que conseguem envelhecer muito melhor do que outras. Há algumas até que, quando atingem idades mais avançadas, se tornam versões melhores de si mesmas. Entretanto, como tudo na vida, também temos aquelas que quando envelhecem você tem a impressão que são outras, no sentido de que desdizem tudo aquilo que sempre disseram, negam tudo aquilo em que sempre acreditaram. São esses dois tipos os lados opostos de uma moeda, completamente antagônicos. E temos a terceira via – algo que nas eleições não tivemos –, que são aquelas do meio termo, sendo o que sempre foram. Isso, dependendo do ponto de vista do qual se observa, pode ser ótimo ou péssimo. Acho que estou nesse último grupo, mesmo mantendo uma leve esperança de ainda ter como integrar o primeiro.

Há quem diga que envelhecer é uma arte. Nunca soube tocar nenhum instrumento; não pinto nem parede, muito menos quadros – se bem que nunca tentei –; só interpreto bem o papel de Solon, uma vez que faço isso há décadas; dançando sou um desastre absoluto; e tenho tentado escrever, até agora sem sucesso que garanta subsistência. Deste modo, música, pintura, teatro e dança estou fora; literatura, talvez ainda ocorra um milagre. Mas esse tal de envelhecimento, não há escola de arte que nos ensine. Tenho me apegado apenas à ideia de que a criatividade independe da idade cronológica; que, contrariando todas as evidências anteriores, o cérebro, uma vez mantido ativo, pode seguir caminho oposto ao restante do corpo, não decaindo como se vai o restante da nossa estrutura física.

José Saramago despontou como escritor apenas aos 60 anos, quando lançou Memorial do Convento, em 1982. Passados 16 anos, em 1998, ganhou o Nobel de Literatura. Charles Darwin foi um tanto mais precoce, uma vez que seu A Origem das Espécies veio em 1859, aos 50 anos. Clarice Lispector escrevia desde quando tinha 23, mas sua obra mais famosa chegou aos 56: A Hora da Estrela, publicada em 1977. Victor Hugo foi outro, que publicava desde os 29 anos, mas Os Miseráveis, a sua obra prima, foi levada ao público quando ele tinha 60. J.R.R. Tolkien modernizou a literatura de fantasia ao lançar a trilogia O Senhor dos Anéis, entre 1954 e 1955, quando tinha 62 anos.

Leonardo Da Vinci concluiu a Mona Lisa com 54 anos e Michelangelo terminou O Juízo Final aos 66. A obra Ponte Sobre Uma Lagoa de Lírios de Água foi feita por Monet, com 59 anos de idade, enquanto Pablo Picasso nos premiou com Guernica, aos 56. Cito aqui apenas quatro grandes mestres e suas obras-primas. Existem centenas de outros exemplos. Aos 80 anos Jessica Tandy ganhou o Oscar de Melhor Atriz por seu papel em Driving Miss Daisy, enquanto entre os homens Christopher Plummer tinha 82 quando foi agraciado com a premiação do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, por Beginners. No Brasil, Fernanda Montenegro parece representar com ainda maior perfeição, conforme o tempo passa.

Cássia Kiss, em 1989, foi a primeira mulher a aparecer com seios à mostra na história da televisão brasileira, ao estrelar uma campanha surpreendente e de absoluto sucesso, sobre a prevenção ao câncer de mama. Ela ensinava a fazer o autoexame, mostrando ao vivo como deveria ser feito. Em 1997 admitiu, juntamente com outras famosas e algumas anônimas, em capa da revista Veja, que já havia feito aborto. Ao longo da vida foi hippie, fumou maconha e construiu uma carreira sólida como uma das melhores atrizes brasileiras. Seria normal o abandono desses dois primeiros hábitos, mas ela foi muito além disso. Durante anos se disse espírita – o que não a absolveria de nada – e agora, mais recentemente, aderiu a um catolicismo radical, virando ainda uma defensora ferrenha da extrema-direita. A ponto de fazer discursos homofóbicos e ir se ajoelhar no meio da rua, para rezar ao lado de manifestantes anti-democráticos, pedindo a volta da ditadura, entre outras barbaridades.

Há pessoas que de fato envelhecem como um bom vinho, melhorando. Outras têm como destino virar vinagre. Aliás, esse produto, quando feito a partir do vinho, resulta de se acrescentar um agente microbiano que faz com que sofra um processo de oxidação. Agora me caiu a ficha: talvez a introdução de determinadas ideias faça com que cérebros despreparados também se oxidem. Arte e convívio com pessoas inteligentes podem ser os antídotos necessários.

06.11.2022

O bônus musical duplo de hoje tem primeiro Envelhecer, com Arnaldo Antunes; depois trazendo Paciência, de Lenine.

AMANHÃ VAI SER MAIOR

O livro é de 2019. Portanto, quando ele foi escrito a situação em nosso país já estava ruim mas, com certeza, era menos grave do que atualmente. Isso é óbvio, uma vez que só tem piorado desde então, como se a gente buscasse o fundo de um poço sem fundo. Seu título é o que está repetido nessa crônica, numa apropriação em homenagem, sem nenhuma intenção de ser um furto intelectual. Amanhã Vai Ser Maior – O que aconteceu com o Brasil e possíveis rotas de fuga para a crise atual, escrito pela cientista social e antropóloga Rosana Pinheiro-Machado mais do que merecer, precisa ser lido.

Na orelha da obra está uma apresentação da autora que no mínimo a torna digna de uma imensa curiosidade dos leitores, a respeito das ideias que ela defende com seu texto claro e objetivo. Atualmente leciona no Departamento de Ciência Política e Social da Universidade de Bath, no Reino Unido, sendo também colunista no The Intercept. Gaúcha, natural de Porto Alegre, ela vem estudando os impactos de ordem política e econômica do comércio do “Sul Global”, em especial da China e Brasil. Mas, nessa obra em especial, se debruça sobre o período de tempo que vai desde as jornadas de junho de 2013 até a vitória de Jair Bolsonaro, nas eleições presidenciais de 2018.

A apresentação dos textos não é feita na tradicional forma de capítulos. A autora preferiu dividir tudo como se fosse uma peça teatral. Tem na abertura, depois do prefácio assinado pela também antropóloga e professora na Universidade de Brasília, Debora Diniz, uma introdução. E o conteúdo segue dividido em cinco partes: prelúdio, três atos distintos e um réquiem. No Prelúdio ela analisa o ativismo do Século XXI com as suas peculiaridades muito próprias, partindo dos rolezinhos que eram feitos por jovens periféricos nos shoppings, passando pelos protestos contra o aumento no preço da passagem no transporte público – a revolta dos 20 centavos – e chegando na greve dos caminhoneiros. No Ato I discute como se deu o avanço da direita, desde 2014, o que é complementado no Ato II, quando se dedica a explicar o simultâneo recuo da esquerda. No Ato III se debruça enfim sobre o bolsonarismo propriamente dito. E depois dedica o Réquiem da Desesperança para dar alguma visibilidade para as formas de luta e de resistência, que foram se anunciando por todos os lados. Formas essas que só fizeram crescer, desde que o livro foi lançado. Mas que podem ser  melhor compreendidas em sua gênese, com a leitura da obra.

A autora busca mostrar ao leitor aquilo que colheu em pesquisa de campo, nos relatos obtidos em entrevistas feitas com pessoas reais. Ilumina a cena e facilita a visão sobre a vida de sujeitos das classes mais populares, para mostrar o quanto houve de abalo causado pela crise econômica. E isso evidencia razões pelas quais uma boa parcela dos mais pobres aderiu ao discurso lamentável do atual presidente. Ela fez isso ao entender que não há como buscar rotas de fuga senão com o entendimento de como se deu a história completa dessa trajetória rumo ao poço.

Um aspecto que mereceu especial atenção da antropóloga foi aquele oferecido pelo movimento #EleNão. Essa manifestação, que varreu o Brasil de ponta a ponta, não resultou em ganho eleitoral para Haddad, como teria sido desejado, em 2018. Mas serviu para marcar encontro histórico da política nas ruas com a esperança feminista de, afinal, termos uma transformação social. É nesse trecho que o livro melhor dialoga também com outras formas emergentes de lutas contra o capitalismo, que estão sendo agora pautadas por questões de gênero, raça e sexualidade.

Enfim, por abordar o bolsonarismo a partir de aspectos menos falados, o livro nos oferece outras explicações para esse fenômeno de aparente emburrecimento coletivo que tomou conta do país. Mas tem o poder de nos anunciar um amanhã. E fez isso muito antes das eleições que se aproximam. Antecipou, então, a certeza de que existe um futuro que nos acalenta, de dias muito melhores que virão. Convêm que se leia e logo. Porque esse é o tipo de combustível que se precisa nessa reta final.

28.07.2022

Hoje teremos outra vez bônus duplo. Primeiro um videoclipe com a música O Grito, do grupo porto-alegrense Capitão Rodrigo. Trata-se de gravação feita ainda quando foram deflagradas, na capital gaúcha, as manifestações contra o aumento no preço da tarifa do transporte público. Um fenômeno que depois se espraiou pelo país todo. Depois temos Ana Cañas com a excelente Mulher.

O Grito – Capitão Rodrigo (Porto Alegre)
Mulher – Ana Cañas

DICA DE LEITURA

AMANHÃ VAI SER MAIOR – O que aconteceu com o Brasil e possíveis rotas de fuga para a crise atual

Rosana Pinheiro-Machado – 192 páginas – R$ 23,99

Desde as grandes manifestações de 2013, boa parte dos brasileiros possui uma única pergunta: o que está acontecendo com o país? Muitas pessoas se sentem em um trem desgovernado por causa de transformações profundas que o Brasil sofreu nos últimos anos, sem saber como dar sentido, viver e combater o caos diário. Este livro da professora, antropóloga e colunista Rosana Pinheiro Machado possui dois objetivos. Primeiro, jogar luz sobre este período de crise, trazendo uma análise do cenário político e social desde as “Jornadas de Junho” até a eleição de Jair Bolsonaro, sem jargão acadêmico. Depois, apontar as saídas que se delineiam no horizonte – e mostrar que já estamos construindo possibilidades de resistir em tempos sombrios. Leitura mais do que apropriada para AGORA, antes das eleições de outubro.

Basta clicar sobre a imagem da capa do livro e você será direcionado para a possibilidade de aquisição. Comprando através desse link, o blog será comissionado.