Nas matinês de domingo, muitas vezes eu estava na sala de cinema quando ecoava o inconfundível grito de Tarzan. Por muito tempo eu imaginava que ele era produzido por algum efeito especial, mesmo que naquela época eles fossem muito mais raros e ocasionais do que hoje em dia. Mais tarde descobri que o próprio ator Johnny Weissmuller gritava daquele jeito. Espero que nem nas primeiras gravações ele tenha assustado Jane, papel vivido pela atriz irlandesa Maureen O’Sullivan. Foram 12 os filmes da série, que contribuíram decisivamente para universalizar o personagem central, que já era conhecido através dos romances de Edgar Rice Burroughs, seu criador. O cinema deu o toque final para que o homem macaco se tornasse um mito.

A saga do menino britânico cujo nome era John Clayton III, o Lorde Greystoke, filho de aristocratas que foram mortos durante um motim, abandonado na selva e adotado por macacos, sempre teve forte apelo. Tarzan significaria “Pele Branca”, em dialeto local. A história original foi escrita em 1912. Criado solto e reconhecido pelos animais como uma criatura igual, em algumas das aventuras ele tem amigos pigmeus e acompanhava, mesmo que de longe, a movimentação eventual de caçadores e expedicionários. Mas sua família era o bando de gorilas entre os quais cresceu.

Dias atrás, lendo um pouco sobre cinema, como gosto de fazer vez por outra, me deparo com algumas revelações relativas aos filmes da minha infância. Primeiro que o ator, que era também um atleta reconhecido, ganhador de cinco medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de 1924 e 1928 e dono de 67 recordes mundiais de natação pelos EUA, não era um norte-americano. Ele nasceu na localidade de Freidorf, na Romênia. Hoje ela se tornou um bairro da cidade de Timisoara, 409 quilômetros distantes do Castelo de Bran, na fronteira entre a Transilvânia e a Valáquia. Esse é o endereço do Conde Drácula, outro personagem famoso na literatura e no cinema. A segunda surpresa é que a chimpanzé que fazia o papel de sua companheira nos filmes, era na verdade um animal macho. O nome real da Chita – Cheetah, na grafia em inglês – era Jiggs e não faço ideia onde ele nasceu. Sei apenas que morreu com 80 anos de idade, um a mais que Weissmuller, que se despediu aos 79. Também é importante salientar que essa parceria só existia nos filmes, na obra original é citada apenas a gorila Kala, que o teria acolhido graças ao instinto materno.

O grito de Tarzan ocorria quando ele matava um inimigo. Seria o modo de registrar “a vitória do grande macaco”. No texto de Burroughs era tido como aterrorizante e quase desumano. Mas isso ficava para que cada um dos leitores imaginasse, até 1939, quando Weissmuller desferiu aquele que precisava mesmo de fôlego de nadador para acontecer. Acabou se tornando marca registrada do herói e do autor. Isso tornou quase que inviável a aceitação de outro astro para o mesmo papel. Mesmo assim foram muitas as produções, antes e depois das histórias protagonizadas por Weissmuller. Se nenhum foi esquecido, o total chegou a 41 filmes além de 57 episódios feitos especialmente para a televisão. Tarzan dos Macacos, de 1918, foi o primeiro filme que se tem notícia ultrapassou a arrecadação de um milhão de dólares, algo que agora é irrisório, mas que tinha uma absurda relevância na época.

Tarzan também morava em histórias em quadrinhos que eu lia desde a infância. E também anda por animações, como a produzida pela Disney e lançada em 1999. Foi praticamente uma super produção, que iniciou em 1995. O grupo de desenhistas foi formado pelos melhores quadros da produtora; o músico inglês Phil Collins compôs e gravou músicas especialmente para ela – You’ll Be In My Heart (Você Estará Em Meu Coração) ganhou o Oscar e o Globo de Ouro, ambos como Melhor Canção Original –; e aconteceram inclusive viagens de investigação até Uganda e Quênia, com o objetivo de observar e estudar o comportamento dos gorilas. O trabalho final foi feito simultaneamente em Orlando e em Paris, tendo sido usados programas de computadores para a criação de fundos tridimensionais.

A tecnologia pode mesmo auxiliar na criação de espetáculos, mas nada supera a imaginação. Por isso, ainda ecoa na minha memória o grito do Tarzan que se espalhava pela sala de cinema. E ainda vejo muita cor nos quadrinhos preto e branco dos antigos gibis que colecionava. A vida parecia tão mais simples antigamente, quando gorilas não usavam nem uniformes, nem suásticas.

14.02.2022

Johnny Weissmuller

O bônus de hoje é o áudio da música Tarzan Boy, um single da banda italiana Baltimora. A canção foi escrita por Maurizio Bassi e Naimy Hackett, tendo sido o primeiro sucesso do grupo, ainda em seu álbum de estreia, Living in the Background, em 1985. Foi regravada em 1993, além de ter sido defendida por vários outros artistas, ao longo dos anos.

RECOMENDAÇÃO:

TARZAN, O SENHOR DA SELVA – Edição definitiva em português, com capa dura, sobrecapa, lombada redonda e 308 páginas. UMA OBRA DE ARTE, para colecionadores. CLICAR NA CAPA ACIMA, para adquirir. Usando esse link, o blog será comissionado.

Um dos maiores personagens da literatura em sua consagrada versão em quadrinhos da MARVEL COMICS, adaptado pela mesma equipe que revolucionou a indústria com as aventuras de Conan, o Bárbaro: ROY THOMAS e JOHN BUSCEMA! Um luxuoso encadernado com a fase completa da dupla, sendo relançado com arte remasterizada e cores digitalizadas PELA PRIMEIRA VEZ NO MUNDO, em uma edição exclusiva brasileira!

Em 1976, embalada pelo enorme sucesso do título Conan, o Bárbaro, a Marvel Comics foi procurada pela Edgar Rice Burroughs Inc. (órgão que cuida do espólio do famoso autor) para ser a nova casa editorial de seus personagens nos quadrinhos. Eletrizados com a possibilidade de adaptar os clássicos e lançar novas aventuras de alguns dos heróis mais famosos dos livros, os lendários editores STAN LEE e ARCHIE GOODWIN incumbiram a não menos lendária dupla criativa formada por Thomas e Buscema da tarefa de conduzir as histórias do Lorde Greystoke, o Homem-Macaco conhecido como TARZAN.

Assim, em 1977, chegava às bancas dos Estados Unidos o título Tarzan, o Senhor da Selva, que adaptava para a nona arte um dos romances mais conhecidos de Burroughs: As Joias de Opar. Aclamado pela crítica e por leitores de todas as partes do mundo, esse primoroso material acabou perdido no tempo e, salvo por uma edição em preto e branco publicada na França no início dos anos 2000, nunca mais havia sido disponibilizado aos fãs. Agora, numa iniciativa inédita, em parceria com a editora Dark Horse e a ERB Inc., para comemorar seu CENTÉSIMO LANÇAMENTO, a Pipoca & Nanquim reapresenta esse título clássico num luxuoso volume em formato grande, com capa dura e sobrecapa, lombada redonda e 308 páginas coloridas que compilam todas as edições criadas pela dupla, recheada de extras como pin-ups, textos e capas originais da época, biografias dos autores e o fascinante Dicionário da Língua dos Macacos, com arte do próprio John Buscema. Uma edição imperdível para todos os amantes dos quadrinhos.

2 Comentários

  1. És um excelente contador de histórias. Teu texto me levou à infância, eu também lia os gibis do Tarzan. O mais importante, no entanto, é tua capacidade de contextualização do que narras. Muito bom.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s